Twitter remove posts de Bolsonaro por desinformação relacionada ao coronavírus

O Twitter é o principal canal de comunicação utilizado pelo presidente Jair Bolsonaro. Não é novidade para quem o acompanha, sem o manto da idolatria, que muitas postagens do presidente extrapolam o decoro de sua função pública.

Nesse domingo, duas publicações da conta oficial de Bolsonaro foram deletadas pela rede social dando lugar à mensagem:

“Este tweet não está mais disponível porque violou as regras do Twitter”.

O G1, que entrou em contato tanto com o Twitter quanto com a Secretaria de Comunicação do Palácio do Planalto para comentarem o caso, recebeu a seguinte resposta:

O Twitter anunciou recentemente em todo o mundo a expansão de suas regras para abranger conteúdos que forem eventualmente contra informações de saúde pública orientadas por fontes oficiais e possam colocar as pessoas em maior risco de transmitir COVID-19. O detalhamento da ampliação da nossa abordagem está disponível neste post em nosso blog.

Entenda o caso

O Twitter tomou essa decisão porque os conteúdos postados por Bolsonaro contrariam autoridades de saúde de todo o mundo.

Embora não tenham sido informados exatamente quais conteúdos estão em desacordo com as autoridades sanitárias, a hipótese é que eles se refiram aos posts sobre o passeio que Bolsonaro deu por Brasília, no último domingo. Em conversa com os cidadãos, o presidente defende que eles sigam trabalhando enquanto “quem tem mais de 65 [deve] ficar em casa”.

As críticas à atitude de Bolsonaro vieram em cascata:

O que menos precisamos no momento é de desinformação, sobretudo, a população mais vulnerável do Brasil.

Talvez te interesse ler também:

Não existem estudos que comprovem a eficácia da vitamina D contra o novo coronavírus

Otimismo, ou pensamento positivo, só atrapalham no combate ao vírus

Pura crueldade: China permite uso de bile de urso para tratamento da Covid-19

É doutora em Estudos de Linguagem, já foi professora de português e espanhol, adora ler e escrever, interessa-se pela temática ambiental e, por isso, escreve para o GreenMe desde 2015.