Parabéns ao Ceará, onde algumas prefeituras cancelaram o carnaval para atender áreas prioritárias

Uma das causas da chamada crise de representatividade política diz respeito à falta de identificação entre representantes e representados. Estes se sentem poucos ouvidos por aqueles a quem delegam seu voto.

Na realidade dos municípios, isso se torna ainda mais evidente porque ambos estão mais próximos. Cabe aos representantes, então, sobretudo quando residem no mesmo espaço da população de quem recebeu voto, escutarem-na e entender as suas necessidades.

Em vez de carnaval, obras para prevenir inundações e alagamentos causados pelas chuvas

Parece que foi isso que Amanda Aldigueri (PDT), prefeita de Granja, uma cidade no interior do Ceará, resolveu fazer. Ciente de que a chuva poderia provocar danos ao município, Aldigueri decidiu cancelar o carnaval na cidade para destinar o recurso da festa do rei Momo para prevenir o problema, como informou o Só Notícia Boa.

A ação da prefeitura de Granja acabou refletindo nos municípios vizinhos de Ubajara e Tianguá, que também anunciaram o cancelamento do carnaval para usar o recurso público para demandas urgentes.

Não é a primeira vez que Granja cancela o carnaval. Em 2019, a prefeitura também tomou essa decisão. Este ano, cerca de R$ 1,2 milhão será destinado a ações de proteção social com a finalidade de mitigar os impactos da chuva na região, após o alerta da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) de que fortes chuvas iriam atingir a cidade.

Uma nota da prefeitura de Granja explica a razão do cancelamento do carnaval:

 “A prefeita decidiu que não faz sentido o município gastar com quatro dias de alegria correndo o risco de testemunhar tragédias no restante do ano”.

O recurso será aproveitado para realizar obras de recuperação de rios, córregos e pontes, manutenção de bueiros, drenagens e destinação adequada de resíduos. Também será feita uma reforma no mercado municipal.

Cidades vizinhas investem em saúde

Já  a prefeitura da cidade de Ubajara decidiu destinar os R$ 250 mil que seriam usados para o carnaval para atender pessoas com deficiência. Em Tianguá, o prefeito Luiz Mendes também cancelou a festa para investir na pasta da saúde.

No ano passado, foi do Espírito Santo que chegou a alentadora notícia do prefeito de Colatina, Sérgio Meneguelli, que decidiu dar um melhor destino para as verbas previstas para o carnaval, investindo-as em educação, construindo uma escola rural:

É preciso mais diálogo entre os políticos e a população no sentido de, coletivamente, construírem o bem comum. Vale destacar as boas práticas de gestão dos três municípios e o efeito cascata de uma ação. Um município decidiu tomar uma decisão em prol de sua população, o que fez com os vizinhos seguissem o exemplo.

Quando vemos que é possível realizar uma boa gestão deixamos de acreditar em salvadores e passamos a nos responsabilizar, juntos, pelo espaço que habitamos.

Talvez te interesse ler também:

Para salvar o planeta, seu voto vale mais do que a sua dieta

Faça você mesmo: confete ecológico a custo zero. Divirta-se sem prejudicar o meio ambiente

Bolívia já proibiu o uso de peles e plumas no Carnaval. Veja como apoiar o mesmo no Brasil

Fonte foto

É doutora em Estudos de Linguagem, já foi professora de português e espanhol, adora ler e escrever, interessa-se pela temática ambiental e, por isso, escreve para o GreenMe desde 2015.
Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Siga no Instagram
Siga no Facebook