Minha Voz: uma plataforma sobre a violência contra a mulher

Minha sobre a violência contra a mulher

Rafael Reis, Daniela Silveira Rozados da Silva e Salete Farias são membros de um equipe multidisciplinar de estudantes e pesquisadores da USP e os responsáveis pelo projeto da plataforma digital “Minha Voz”, criada para auxiliar as mulheres que sofrem ou sofreram qualquer tipo de violência feminina. O projeto venceu a competição da maratona de programação, realizada pela Câmara dos Deputados em 2014, cujo prêmio será entregue no próximo dia 4 de abril, às 19 horas, no Salão Nobre da Câmara, em Brasília (Distrito Federal).

“Seja bem-vinda! Aqui escutamos e respeitamos você!”. Essa é a frase de abertura da plataforma “Minha Voz”, um canal que busca oferecer informações sobre as experiências das mulheres que sofreram violência e abuso, sejam físicos ou psicológicos, domésticos ou não.

Os responsáveis pelo projeto possuem diferentes especialidades técnicas. Rafael é técnico em informática pelo Colégio Técnico de Campinas da Unicamp e atualmente é estudante de Engenharia Elétrica da Escola Politécnica (Poli) da USP. Daniela, doutora em psicologia, filósofa e psicóloga, é pós-doutoranda do Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP. Salete, mestre em Ciências da Computação pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA), é professora do Instituto Federal do Maranhão (IFMA).

A "Minha Voz" surgiu para concorrer ao prêmio da maratona, cujo tema era a desenvolver um projeto que permitisse o enfrentamento e o combate contra a violência da mulher, mas também por conta das crenças de seus criadores, que acreditam que todo o tipo de ação desrespeitosa com o bem-estar moral, psicológico e físico da mulher, deve ser caracterizado como violência feminina, conforme declarou a equipe multidisciplinar da USP:

“Para a Minha Voz, o que interessa é o ponto de vista da mulher que sofreu a violência. A violência contra a mulher é um problema mundial. Se considerarmos todas as formas de violência, desde as que nos fazem ficar mal emocionalmente, até as que nos machucam fisicamente, todas as mulheres já sofreram ou correm o risco de sofrer algum tipo de violência”.

Mas não é somente de informações sobre o que fazer, que a Minha Voz auxilia as mulheres. A plataforma também reúne as experiências das mulheres que sofreram, ou ainda sofrem, com a violência. Todos os depoimentos, claro, são dados sob o absoluto sigilo do anonimato.

Os depoimentos buscam despertar a atenção das autoridades e, quem sabe, na criação de políticas mais fortes para combater este grave problema.

“Criamos esse espaço para que as mulheres se sintam à vontade para contar e compartilhar com outras mulheres as experiências de violência que sofreram, e esperamos que isso tenha um efeito fortalecedor na vida delas”, avaliam os pesquisadores.

E o site Minha Voz não para com a conquista do prêmio. Seus desenvolvedores buscam melhorar plataforma para atender as mulheres vítimas da violência: “Além da inserção de todas essas informações, um de nossos maiores desafios é no contato com a usuária: pretendemos que o contato da mulher com o site seja o mais confortável possível, e ao mesmo tempo ofereça informações que podem ser cruciais para sua integridade física e mental. Temos que aliar acolhimento num momento extremamente delicado e doloroso, à busca rápida e acessível das informações que ela precisa”, concluem.

Acesse aqui a plataforma Minha Voz.

Leia também: Lei Maria da Penha diminui violência doméstica

Fonte foto: freeimages.com