Literatura Independente e Feminista: Dinha e o Coletivo Me Parió Revolução

  • atualizado: 
Dinha

Há algumas décadas a ideia de embarcar na carreira de escritor era algo que beirava a idealização, aos olhos de quase todas as pessoas. “Ninguém consegue viver de literatura no Brasil” era uma frase tão disseminada, que parecia uma verdade imutável. No entanto, a restrição ao mercado editorial, a ausência de escolas especializadas, e o baixo índice de leitores brasileiros não impedem que uma geração de escritores siga publicando e construindo uma rede literária, que vai muito além do que o grande mercado oferece.

Quer um bom exemplo? Maria Nilda de Carvalho Mota, ou simplesmente Dinha. Ela acaba de publicar “Onde escondemos o ouro”, uma reunião de poemas de amor.

Dinha faz parte do coletivo de mulheres Edições Me Parió Revolução, que edita livros artesanais e semiartesanais e tem em seu currículo livros como “Onde estaes Felicidade”, de Carolina Maria de Jesus, “Canções de Amor e Dengo”, da cronista Cidinha da Silva, entre outros.

Todo o trabalho de publicação editorial é feito com bastante empenho e boa vontade, tendo em vista que grupos, como os de Dinha, costumam contar com verba limitada. Ainda assim, o coletivo disponibiliza em seu site, gratuitamente, ebooks de livros.

Todo o trabalho é feito por financiamento coletivo, e Dinha conta que está cada vez mais difícil fazer impressões, sem verba.

Literatura Marginal

O que o Me Parió Revolução enfrenta é comum a muitos escritores e coletivos independentes. Desde a década de 70, quando surgiu a denominada literatura marginal, como forma de driblar a censura, difundindo obras de forma clandestina; esse nicho literário vem ganhando força, principalmente por meio da união entre os integrantes. “A melhor forma de fortalecimento pessoal é o trabalho coletivo. Então pertencer a coletivos permite que se some forças e que os integrantes se fortaleçam mutuamente”, explica a escritora.

Ela conta que sentiu necessidade de unir-se a coletivos como forma de fortalecimento, tendo em vista seu trabalho como poeta e crítica literária.

Dinha

dinha livro

Dinha é cearense e veio para São Paulo ainda bebê. Atualmente é doutoranda na área de Estudos Comparados pela USP. É poeta, autora dos livros “De passagem, mas não a passeio” (2006/2008), “Onde escondemos o Ouro” (2013/2017) e “Zero a Zero – Quinze poemas contra o Genocídio da População Negra”.

Essa reedição da obra “Onde escondemos o Ouro” veio da necessidade de editar em maior escala para fazer o livro circular melhor. A primeira edição, de 2013, era composta por três livros - “O Guardião”, “O Ouro” e “Bichos” e contava com capa de tecido e impressão caseira.

Dinha representa, atualmente, uma cena literária que anda produzindo muito.

“Acredito que a literatura marginal periférica veio para ficar e revolucionar os espaços normativos da Literatura. Revolucionamos os sujeitos, objetos da literatura e estamos revolucionando também a forma de publicar – mercadologicamente eficaz, porém liberta da necessidade de grandes editoras, além de sermos mais democráticas”, avalia Dinha.

Por isso quem quiser conferir, colaborar ou até mesmo fazer parte, já sabe que a máxima de que ser escritor no Brasil é para poucos não faz mais sentido. Essa geração certamente está entre as que mais produz literatura. E Dinha é um excelente exemplo.

Parabéns!

Leia mais sobre Literatura, Arte e Cultura

seta

A (IN)UTILIDADE DA LITERATURA: NINGUÉM QUER PENSAR FORA DA CAIXA

setaLIVRO VERMELHO DAS ESPÉCIES EM EXTINÇÃO PARA AS CRIANÇAS

setaAS IRREVERENTES CHARGES DE ALTAN SOBRE MEIO AMBIENTE

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!