As coisas não ditas fazem mal à mente e ao coração

  • atualizado: 
coisas não ditas

As coisas não ditas fazem mal, elas permanecem na mente e no corpo, quase sempre tomam espaço e fazem de tudo para serem ouvidas.

Para conseguirem, tornam-se distúrbios, doenças. Na prática assumem diferentes formas, dependendo da pessoa e da "substância”, do conteúdo, que trazem consigo.

Alguns exemplos que podem representar, no corpo, o que a mente esconde:

  • Tosse cheia - simbolicamente representa que nós queremos banir de nós mesmos algo sujo, indesejável, irritante, entúpido, desagradável, invasivo. A tosse quando se torna crônica, pode evidenciar o nosso sentimento de raiva e agressividade em relação a uma determinada situação;
  • A dor de estômago expressa raiva e nossa dificuldade em ”digerir" situações que estamos vivendo;
  • Dor nas costas, muitas vezes nos adverte de um fardo pesado demais para nós;
  • Cistite pode ser causada pela percepção de uma invasão em território que não queremos ou não podemos nos rebelar.
  • A dor de cabeça pode representar uma série de pensamentos perturbadores que racionalmente tentamos não dizer e tentamos ter sob controle.
  • E os nós na garganta? Podem indicar tristeza ou dor não expressa, que pressionam para sair e se tornar um verbo.

Provavelmente todos nós, por experiência própria, sabemos que se tivermos a oportunidade de "dizer" o "nó", este se desfaz, se transforma. Não por acaso!

Claro, dá para tentar descarregar a "tensão emocional" fisicamente, praticando esportes, caminhando ou dando socos em um travesseiro mas, se conseguirmos descarregar também através da linguagem, falando, o efeito de bem-estar será sem dúvida maior.

A razão é fácil de entender: a palavra tem em si um aspecto criador, dá forma, torna explícito o implícito: permite demonstrar e reconhecer.

Porém dizer as coisas a nós mesmos ou até mesmo "aos outros" - pode não ser suficiente por duas razões:

A primeira delas é que as palavras podem nos tirar muita energia física e mental (especialmente quando elas vêm como furacões, inesperadas e impactam todo o nosso sistema emocional e energético). Precisamos de um tempo, mais ou menos longo, para "reorganizar" o pensamento antes de metralhar palavras e frases e até mesmo para encontrar os termos justos para não causarmos efeitos devastastes sobre nós e à nossa volta.

Portanto quaisquer que sejam os sentimentos, pensamentos e coisas a serem "ditas”, devemos ter o cuidado na escolha das nossas palavras, evitando assim ferir outras pessoas.

A segunda razão está relacionada a um "egoísmo saudável" que consiste em tentar encontrar o modo de dizer o que deve ser dito, sem machucar o outro, mas também tentando exprimir do melhor modo possível, tudo aquilo que estiver “entalado”, a fim de fazer sair tudo para fora e para curar-se a si.

E assim, entre dizer e fazer, mora o nosso objetivo verdadeiro, espiritual, que é o de crescermos em conhecimento e em amor, a nós mesmos e aos outros.

Leia mais Segredos para ser Feliz:

setaESCUTAR O PRÓPRIO BATIMENTO CARDÍACO MELHORA A CAPACIDADE DE ENTENDER O OUTRO

setaESCOLHA UMA DESTAS BORBOLETAS E DESCUBRA ALGO ESCONDIDO NO TEU SUBCONSCIENTE

setaPOR QUE ESTOU ANGUSTIADA? CONHEÇA OS REMÉDIOS CASEIROS PARA ALIVIAR ESTE MAL