Uso de ar-condicionado deverá subir de 13% para 70% em 2100

ar-condicionado

Os dois últimos verões, com temperaturas recordes, fizeram a compra de aparelhos de ar-condicionado aumentar em todo o país. E, ao que parece, a tendência continuará firme, conforme já aparenta acertar uma pesquisa feita em 2014 sobre o uso de ar-condicionado e sua expansão no mundo. De acordo com o estudo, até o ano de 2100, o uso do ar-condicionado no planeta saltará de 13% para 70% em toda população mundial.

Os dados são de uma pesquisa divulgada na revista Academia Americana de Ciências (PNAS), feita por pesquisadores da Universidade da Callifórnia, e alerta para os problemas potenciais de tantos aparelhos de ar-condicionado nas casas do mundo inteiro.

Os refrigeradores e condicionadores de ar liberam gases hidrofluorcarbonos (HFC), que afetam a temperatura global. Os gases HFC podem ser milhares de vezes mais potentes do que os gases de dióxido de carbono (CO2), quando se trata de gases do efeito estufa na atmosfera da Terra.

A estimativa leva em conta o aquecimento global e o fato de que basta um pequeno aumento na renda das famílias para que a compra do aparelho seja altamente considerada, principalmente em países tropicais e subtropicais, região do planeta em que vivem mais de três bilhões de pessoas.

A pesquisa avaliou 25 milhões de consumidores de energia elétrica no México e constatou que um aumento anual de apenas 2% na renda familiar, juntamente com a perspectiva da elevação da temperatura global, podem acarretar em uma explosão quase total de venda de ar-condicionado.

Atualmente, esta realidade já existe em países como os Estados Unidos, cujo uso de algum tipo de condicionador de ar chega a 90% em sua população, mas países como a Índia, com a segunda maior população da Terra (atrás apenas da China), e com um clima muito mais quente que o do norte-americano, somado ao crescimento econômico do país (a Índia é o atual terceiro lugar no PIB mundial), pode resultar em uma situação semelhante ao dos EUA, em uma nação com 1 bilhão de habitantes. 

Juntamente com a Índia, as outras nações com potencial para expandir seu uso de ar-condicionado são: Bangladesh, Brasil, China, Indonésia, México, Nigéria, Paquistão, Filipinas, Tailândia, Estados Unidos (eles querem chegar a 100% a todo custo) e Vietnã.

Se você ficou feliz pensando na possibilidade de ter um ar-condicionado em cada cômodo da casa, pense que a conta, além de tua, também pode ficar cara para a geração de energia elétrica e, claro, mais cara ainda para o meio ambiente com as construções de novas usinas para geração de energia, nem sempre limpas e renováveis. 

Ao menos o presidente dos EUA, Barack Obama, ordenou que as emissões de gases HFC fossem diminuídas como parte do seu Plano de Ação Climática, e irá investir para encontrar formas de condicionar o ar menos danosas para a temperatura global.

Leia também: Como aliviar o calor (sem ligar o ar-condicionado) em 8 dicas