foto: Thaise Morais/EESC-USP

Brasil terá seu 1° prédio que usa energia do solo para climatizar ambientes

Brasil terá seu 1° prédio que usa energia do solo para climatizar ambientes

O prédio é inédito e está sendo construído graças a uma pesquisa realizada pela Escola de Engenharia de São Carlos, da Universidade de São Paulo (EESC-USP), que avaliou o uso das fundações de edifícios como meio para a troca de energia térmica entre o prédio e o subsolo.

Como explica a Agência Fapesp, essa tecnologia é baseada na energia geotérmica, e tem sido usada para gerar um economia considerável no consumo de energia elétrica para climatização, seja para aquecimento como para resfriamento de ambientes.

Nomeada CICS Living Lab, a edificação brasileira já está sendo construída na Escola Politécnica da USP em São Paulo.

O que é energia geotérmica

Em entrevista à Assessoria de Comunicação da EESC-USP, a pesquisadora Thaise Morais que está avaliando o desempenho dessa tecnologia em sua tese de doutorado, explica que

“a energia geotérmica é aquela encontrada dentro da crosta terrestre, no solo, nas rochas ou mesmo na água, sendo identificada pela temperatura. Essa energia pode ser transferida para a superfície por processos de troca térmica a partir das fundações da edificação.”

“A temperatura da região que vai desde a camada superficial da crosta terrestre até algumas centenas de metros de profundidade é resultado das interações naturais que ocorrem entre o ambiente externo e o interior da crosta. Assim, o solo funciona como uma espécie de bateria ou reservatório de energia térmica”, descreve a pesquisadora.

Como funciona

As fundações do prédio contêm estacas que ficam enterradas em contato constante e direto com o subsolo. Dessa forma, é possível ocorrer a troca térmica, que é feita através de tubos instalados no interior das estacas. Assim, o sistema é capaz de captar ou rejeitar o calor do solo e levar a energia térmica até a superfície, onde uma bomba geotérmica faz a troca entre o subsolo e os ambientes do prédio.

Incrível!

“Nos testes, usamos água potável como fluido para a troca de calor entre a fundação e o subsolo. A bomba troca calor com a água a partir de um outro fluido refrigerante que circula em seu interior. Essa troca é feita de forma contínua e repetitiva até que a temperatura desejada para o ambiente seja alcançada”, relata a pesquisadora.

Esse sistema de aproveitamento de energia geotérmica pode ser aplicado em qualquer tipo de edificação, com a atenção prévia de conhecer as propriedades térmicas do subsolo da localidade onde se pretenda construir, além das demandas térmicas da edificação.

Estudo premiado

A tese da Thaise Morais venceu o Prêmio Costa Nunes da Associação Brasileira de Mecânica dos Solos e Engenharia Geotécnica como a melhor tese de doutorado 2018-2019.

Seus estudos começaram em 2014 por meio de um projeto apoiado pela FAPESP e coordenado pela professora Cristina de Hollanda Cavalcanti Tsuha.

A Poli-USP está trabalhando para desenvolver novas tecnologias sustentáveis, e esse edifício está sendo usado como “laboratório vivo” na escola.

Parabéns a todos os envolvidos.

Talvez te interesse ler também:

O tijolo mais resistente que concreto, feito de plástico reciclado por esta queniana

Feita de barro e bambu, empoderando gente local, obra ganha prêmio de arquitetura

Onde o lixo vira asfalto: África do Sul inicia a construção da sua primeira estrada feita de plástico reciclado

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *