Ônibus a hidrogênio - projeto brasileiro em andamento

Uma cidade cheia de ônibus rodando para lá, para cá, sem barulho, sem cheiro, sem gerar poluição. Um sonho que já estamos realizando no Brasil, a exemplo de outros lugares no mundo como a Noruega. Londres também já tem seus ônibus movidos a hidrogênio. É o projeto Ônibus Brasileiros de Hidrogênio.

 Os brasileiros são do projeto Ônibus Brasileiros de Hidrogênio que ocorre em parceria com o Pnud (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento), o Ministério de Minas e Energia (MME), a Agência Brasileira de Cooperação (ABC) e a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo S.A. (Emtu/SP). Estes carros não emitem poluentes, somente vapor de água e portanto, sua circulação deixa de acrescentar à poluição das cidades. O sistema de locomoção à base de hidrogênio tem células híbridas com sistema elétrico, autonomia de até 300 km e mais 40 km só com as baterias elétricas de partida. 

O "Projeto Ônibus Brasileiro a Hidrogênio" foi lançado em novembro de 2006, é coordenado pela EMTU e trata da aquisição, operação e manutenção de até quatro ônibus com célula a combustível a hidrogênio. Na região do grande ABC paulista já transitam ônibus de transporte coletivo movidos a hidrogênio e estão operando na linha 287P – de Piraporinha a Santo André.

A Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, junto com a COPPE tem também um projeto de ônibus a hidrogênio que participou da Rio+20 em 2012 e teve destaque nas novas tecnologias. Os pesquisadores da UFRJ têm a expectativa de ter um dos seus ônibus rodando nas Olimpíadas de 2016. A primeira expectativa, que não se concretizou, foi de que o protótipo estivesse operacional para a Copa 2014. Este projeto avança com financiamento da Finep, Petrobras, CNPq e da Faperj e seu protótipo tem custo de cerca de R$ 1 milhão. Segundo o cientista Paulo Emílio de Miranda, da COPPE/UFRJ, ”o primeiro ônibus europeu consumia 25kg de hidrogênio por 100km rodados. O atual consome 14 kg por 100km rodados, e o brasileiro usa 5 kg para a mesma distância.”

Estamos à frente do nosso tempo, buscando alternativas mais ecológicas para manter os transportes em funcionamento com eficácia e segurança. E no caso de hidrogênio, como combustível, é bom mesmo que a segurança seja levada muitíssimo a sério, senão explode, e bum.

Leia também:

seta

SÃO PAULO TEM FROTA DE ÔNIBUS NÃO POLUENTES