morte de indígenas
morte de indígenas

Mais dois indígenas são assassinados no Maranhão. Caso repercute no mundo

Há poucos meses, o antropólogo Eduardo Viveiros de Castro vaticinou que estávamos testemunhando uma ofensiva final contra os povos indígenas. O assassinato de dois homens da etnia Guajajara no último sábado (7), no município de Jenipapo dos Vieira, no Maranhão, é mais uma confirmação sombria dessa tese.

Um vídeo-denúncia com imagens do local e depoimento de um terceiro indígena baleado vem sendo compartilhado por organizações brasileiras e internacionais ligadas à proteção ambiental e à defesa dos povos tradicionais.

Como informou a Deutsche Welle, testemunhas afirmaram que Firmino Prexede Guajajara e Raimundo Benicio Guajajara foram atingidos por disparos que partiram de um veículo branco, às margens da rodovia BR 226, entre as aldeias Boa Vista e El Betel, a 506 quilômetros da capital São Luís.

Eles saíam de uma reunião entre indígenas e a empresa Eletronorte. Segundo o cacique Magno Guajajara, presente no local quando o atentado ocorreu, havia cinco pessoas no carro. Para ele, o assassinato pode guardar relação com a reunião, convocada para tratar de ações de bem-estar voltadas para os habitantes da Terra Indígena (TI) Canabrava, no Maranhão.

“Nós nos sentimos vulneráveis. [O atentado] pode ter a ver com as denúncias que a gente faz das invasões dentro dos nossos territórios”, declarou Magno Guajajara à Deutsche Welle.

Conforme divulgado pelo El País, o governador do Maranhão, Flávio Dino, manifestou pesar em sua conta no Twitter e se disse solidários às vítimas, informando que equipes estaduais e federais estão trabalhando em parceria para atuar na área. Também se manifestaram em seus perfis nas redes sociais o ministro Sérgio Moro e a líder Sonia Guajajara, que está Madri por ocasião da Cúpula do Clima da ONU (COP-25).

Trata-se do segundo atentado contra indígenas da etnia em um período de dois meses. No início de novembro, a morte do líder Paulino Guajajara repercutiu no mundo inteiro.

A Anistia Internacional exigiu esclarecimentos:

“Os ataques aos povos indígenas, os primeiros habitantes do país, violam uma série de direitos: desde o mais básico e valioso, o direito à vida, passando pelo direito a seus territórios, seus modos de vida e a sua segurança […] Exigimos esclarecimento sobre as circunstâncias dessas mortes e a efetivação dos direitos humanos dos povos indígenas!”, declarou.

Talvez te interesse ler também:

PARAISÓPOLIS: ERRO OPERACIONAL GRAVE NÃO. GENOCÍDIO SIM

DAVI KOPENAWA, O ‘DALAI LAMA DA FLORESTA’ RECEBE O PRÊMIO NOBEL ALTERNATIVO POR SUA LUTA PELOS DIREITOS DOS POVOS INDÍGENAS

O MAIOR GENOCÍDIO DE TODOS OS TEMPOS NÃO FOI O HOLOCAUSTO, MAS O DOS POVOS INDÍGENAS

Sobre Redação GreenMe

Redação GreenMe
greenMe.com.br é um site de informação sobre meio ambiente e saúde, criado para levar ao grande público, a consciência de que um mundo melhor é possível, através de um comportamento respeitoso com todas as formas de vida.

Veja Também

Mineração em terras indígenas

Governo aprova exploração de minério na Amazônia

Existem mais de três mil requerimentos para explorar minérios em terras indígenas na Amazônia à …