dilma biodiversidade

Regulamentação da Lei da Biodiversidade será feita com participação popular

Começou na última sexta-feira (12/06) o recebimento das contribuições para a regulamentação da Lei da Biodiversidade (Lei 13.123/2015), que será levada à consulta pública pelo governo federal, em setembro. As contribuições podem ser enviadas até o final de julho, aqui. Com as contribuições recebidas será elaborado um mapa diagnóstico dos temas e artigos prioritários e sensíveis, que deverão ser abordados e debatidos durante a consulta pública.

A Lei da Biodiversidade define o acesso ao patrimônio genético e ao conhecimento tradicional associado e a repartição dos benefícios oriundos desse acesso.

“É importante que toda a sociedade participe para que o governo possa elaborar uma regulamentação que atenda, da melhor maneira possível, tanto as empresas e institutos de pesquisas que usam a biodiversidade, quanto os povos indígenas, as comunidades tradicionais e agricultores familiares detentores do conhecimento tradicional associado”, explicou o diretor de Patrimônio Genético do MMA, Rafael Marques.

As alterações promovidas no Marco da Biodiversidade, agora com o formato de lei, devem garantir os direitos dos povos indígenas, comunidades tradicionais e agricultores familiares de participação nas decisões necessárias à conservação e uso sustentável dos conhecimentos tradicionais, das plantas e animais que são comumente usados pelas culturas autóctones que habitam nosso país. Com esse objetivo representantes desses setores terão assento garantido e paritário junto com outros setores da sociedade civil, empresários e cientistas, no Conselho de Gestão do Patrimônio Genético (CGen) do Ministério do Meio Ambiente – MMA. Da mesma  forma, participarão das decisões sobre destinação de recursos do Fundo Nacional de Reparticão de Benefícios (FNRB) que tem o objetivo de promover a valorização do patrimônio genético e os conhecimentos tradicionais a eles associados.

Na lei atual, exige-se o consentimento prévio das comunidades detentoras dos conhecimentos tradicionais para que empresas possam explorá-los economicamente, tanto o produto final, quanto o material reprodutivo, impedindo-se assim que essa exploração seja feita à revelia das comunidades tradicionais e alijando-as dos benefícios daí resultantes.

Porém, as pesquisas sobre patrimônio genético e conhecimento tradicional associado não precisam de prévia autorização do GCEN, bastando um cadastro eletrônico de intenção. Segundo destaca o representante do MMA, Rafael Marques “a promoção do uso sustentável do patrimônio genético e a valorização do conhecimento tradicional associado podem abrir uma grande oportunidade para o Brasil fortalecer e desenvolver uma economia em que o elemento-chave seja a conservação da biodiversidade“.

Mais importante ainda, a nosso ver, é a conclusão a que chega o MMA, através do mesmo representante: “Precisamos reconhecer o papel importante que os povos e comunidades tradicionais e agricultores familiares representam nesse contexto (do desenvolvimento econômico)”.

Este, a nova Lei da Biodiversidade, é um passo importante na defesa do patrimônio genético e cultural dos povos habitantes das terras brasileiras e a sua regulamentação é que permitirá que os avanços detectados nesta não fiquem letra morta no papel. É fundamental a participação de todos os que tenham algo positivo a aportar para que esta regulamentação seja o mais coerente possível.

Tire aqui suas dúvidas sobre a Lei da Biodiversidade e, não deixe de dar sua contribuição à regulamentação desta lei tão importante para a preservação da biodiversidade brasileira, uma das maiores do mundo.

Leia também: Dilma sanciona Marco da Biodiversidade com vetos

Fonte foto: agenciabrasil.ebc

Sobre Redação GreenMe

Redação GreenMe
greenMe.com.br é um site de informação sobre meio ambiente e saúde, criado para levar ao grande público, a consciência de que um mundo melhor é possível, através de um comportamento respeitoso com todas as formas de vida.

Veja Também

immagine

Pantanal devastado pelas chamas. Animais pedem SOCORRO. Como ajudar

Um dos mais importantes biomas do mundo, santuário de uma extraordinária biodiversidade, está sendo dizimado …