Criadores da vacina na natureza, aprenda com os cupins tudo sobre vacinação

Criadores da vacina na natureza, aprenda com os cupins tudo sobre vacinação

A vacinação é uma das formas mais eficazes de imunização e de prevenção de doenças, mas você sabia que na natureza ela foi desenvolvida pelos cupins? Isso é o que sugere um estudo desenvolvido por pesquisadores da Universidade Federal do ABC (UFABC).

O estudo em questão foi publicado no Blog Bzzzzzz da revista Super Interessante e o texto original foi produzido por Ives Haifig, professor da UFABC e Luiza Helena Bueno da Silva, doutoranda do programa de pós-graduação Evolução e Diversidade da UFABC.

Segundo eles, os cupins realizam práticas preventivas melhores do que nós, humanos. Esses insetos trocam pequenas amostras de patógenos para se imunizarem, evitam lugares infestados e utilizam substâncias antissépticas.

O mais interessante é pensar em como eles conseguem tudo isso, se o cupinzeiro é um lugar de aglomeração?

A resposta para essa pergunta está nos vários mecanismos de defesa que eles desenvolveram e que são semelhantes à vacinação.

A diferença é que, na nossa vacina, somos expostos a uma versão modificada do vírus que faz com que nosso sistema imunológico identifique o agente infeccioso quando tivermos o contato real com o vírus.

Já a vacina dos cupins funciona pela transferência de uma pequena dose do patógeno de um para o outro, através do hábito de limpeza que possuem. Com isso, os cupins apresentam uma infecção de baixa intensidade e assintomática, desenvolvendo assim uma proteção que os imuniza.

Assim como nós, os cupins também fazem campanhas de vacinação, pois elas servem para interromper o ciclo de contaminação do vírus entre a população. Conhecida como imunidade coletiva ou “de rebanho”, a vacinação faz com que a propagação da doença diminua, favorecendo não só quem toma a vacina, mas também a sociedade.

O texto destaca ainda as boas práticas que os cupins adotam sem reclamar como: evitar locais infestados, avisar os companheiros de ninho quando se está doente e usar substâncias antissépticas.

Ou seja, tudo o que nós, seres humanos, deveríamos fazer ou que fazemos reclamando. Isso deixa clara a importância que os insetos têm em nossas vidas, principalmente no quesito observação e aprendizado coletivo.

Conclui-se que devemos observar mais os insetos, em especial os cupins que nos ensinam como e porquê devemos nos vacinar.

Talvez te interesse ler também:

O fenômeno dos cupinzeiros luminosos que é um encanto do Cerrado

É por isso que ninguém mais vê gafanhotos, cigarras, borboletas…

Gambá toma banho e ganha beijo no TikTok

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *