Elefanta grávida come abacaxi cheio de bombas e morre. Artistas prestam homenagens emocionantes

Elefanta grávida come abacaxi cheio de bombas e morre. Artistas prestam homenagens emocionantes

Uma história de terrível violência animal que vem de Kerala, na Índia, onde um elefante morreu depois de comer um abacaxi “recheado” de bomba, oferecido por alguém com a intenção de fazer uma brincadeira de mau gosto ou de realmente maltratar o animal. Mas o ato foi muito além da covardia: o elefante era uma fêmea e estava grávida e, portanto, dois elefantes perderam a vida por causa desse inexplicável ato de crueldade.

Segundo noticiou o NDTV, o elefante selvagem havia deixado as florestas do Vale do Silêncio no distrito de Palakkad, vagando por uma vila próxima em busca de comida. Enquanto andava pelas ruas, alguém lhe ofereceu um abacaxi carregado de bombas. A fruta explodiu em sua boca, levando o animal à inevitável tragédia.

O elefante ferido se aproximou do rio Velliyar, onde morreu, de pé, junto com o elefantinho que carregava em seu útero e que teria nascido depois de 18 a 20 meses.

A grave violência sofrida por esse animal veio à tona depois que um oficial da floresta contou os detalhes da história nas mídias sociais.

“Ela confiava em todo mundo. Quando o abacaxi que ela comeu explodiu, ela deve ter ficado chocada ao não pensar em si mesma, mas no filhote que ela daria à luz entre 18 ou 20 meses”, escreveu o agente florestal Mohan Krishnan, que fazia parte da equipe que tentou salvar a elefanta.

A explosão foi tão forte que a língua e a boca da elefanta ficaram gravemente feridas e o espécime atravessou a vila com dor excruciante e fome terrível (ela era incapaz de comer qualquer coisa por causa de seus ferimentos).

“Não prejudicou um único ser humano, mesmo quando sentiu dores excruciantes nas ruas do vilarejo. Ela não destruiu uma única casa. Por isso eu disse que estava cheia de bondade”, escreveu Krishnan.

A elefanta finalmente se aproximou do rio Velliyar e permaneceu lá até seu último suspiro. As fotos mostram a elefanta parada no rio com a boca e a tromba na água, talvez para conseguir algum alívio para a insuportável dor. O agente florestal afirma que ela também foi para lá para evitar moscas e outros insetos nas feridas.

Os homens tentaram de tudo para salvá-la, levando também dois elefantes para tentarem tirá-la para fora do rio.

“Mas acho que ela tinha um sexto sentido. Não nos permitiu fazer nada”, escreveu Mohan Krishnan.

Após horas de tentativas dos agentes, a elefanta morreu às 4 da tarde, ainda de pé na água. A esse ponto, ela foi levada de volta para a floresta em um caminhão para ser cremada.

“Ela precisa receber a despedida que merece. Para isso, nós a levamos para dentro da floresta em um caminhão. Ela ficou deitada na lenha, na terra onde brincara e crescera. O médico que a examinou me disse que ela não estava sozinha. Eu podia sentir sua tristeza, mesmo que a expressão em seu rosto não fosse visível por causa da máscara. Lá nós a cremamos em uma pira. Nós nos curvamos a ela e demos nossos últimos respeitos”, disse o agente florestal.

Com “irmã … desculpe” termina a mensagem de Krishnan.

Mas as desculpas não são suficientes pelo ato muito sério cometido contra um elefante indefeso e, além disso, em uma fase delicada e importante de sua vida, como a gravidez. Esperamos que os responsáveis ​​sejam identificados e punidos severamente!

Artistas do mundo inteiro rendem suas homenagens

Nas redes sociais, as mensagens de condolências a este ser de puro amor e doçura de artistas do mundo inteiro…

 

Talvez te interesse ler também:

Professor encaminha ratos de laboratório para adoção após término dos estudos

Lolita, a orca que completa 50 anos de solidão e não há nada a festejar

Com restaurantes fechados, ratos ficam agressivos em Nova York à procura de comida durante lockdown

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *