Com restaurantes fechados, ratos ficam agressivos em Nova York à procura de comida durante lockdown

A crise econômica que atinge o país mais rico do mundo também afeta a população de ratos.

Em Nova York, ratos à procura de comida estão ficando “agressivos” durante o lockdown, porque não estão encontrando os alimentos dispensados pelo restaurantes, que se encontram fechados, informa o The New York Times.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CPD) dos EUA descrevem que os animais estão se voltando uns contra os outros. Os programas de saúde ambiental e controle de roedores podem ter um aumento nas solicitações de serviço relacionadas ao comportamento “incomum ou agressivo” de roedores, segundo o roentologista urbano Bobby Corrigan, que explicou que:

“Os ratos não estão se tornando agressivos com as pessoas, mas entre si”, porque “eles estão simplesmente se virando”.

Gerações de ratos noturnos de Nova York do lixo dependem do lixo dispensado à noite por restaurantes. Eles já sabem que, ao saírem dos esgotos, encontrarão comida disponível. Mas o lockdown está deixando os animais famintos e desesperados.

Em Nova Orleans a situação também não é diferente: os ratos tomaram as ruas vazias. Em Chicago, eles saem à procura de comida durante o dia.

Corrigan aconselha os moradores dos imóveis a procurarem o serviço de controle de pragas para evitar que os ratos entrem em suas casas. Para manter os roedores famintos afastados, o CPD recomenda deixar as portas vedadas, remover detritos e manter o lixo bem fechado.

Os ratos, tanto nas áreas urbanas quanto rurais dos EUA, podem começar a ser percebidos pela população, que deve estar alerta.

Talvez te interesse ler também:

Ratos lutando no metrô: a foto bizarra que o público elegeu como vencedora

Maus-tratos, agressão, crueldade e morte. Por que a rinha de galo tem apoiadores até hoje?

Agropecuária é apontada por especialistas como uma das causas do surgimento de pandemias

É doutora em Estudos de Linguagem, já foi professora de português e espanhol, adora ler e escrever, interessa-se pela temática ambiental e, por isso, escreve para o GreenMe desde 2015.