Na Tailândia, elefantes explorados que levavam turistas a passeio, agora estão livres

Na Tailândia, por causa da pandemia em andamento, os principais parques estão fechados e nenhum turista pode mais andar de elefante. Sendo assim, alguns diretores de parques decidiram desmontar definitivamente as selas anunciando que, mesmo após o final da emergência, eles deixarão os animais livres.

À medida que a pandemia da Covid-19 continua a se espalhar, juntamente com as medidas restritivas e o medo, também na Tailândia os animais estão tendo seus dias de glória, podendo voltar a ser livres em seus próprios habitats. 

No Maesa Elephant Camp, em Chiang Mai , o turismo está parado desde o início da emergência, o que forçou o parque a fechar suas portas a todos os visitantes.

Nesse lugar, a grande atração para os turistas era a oportunidade de dar uma volta nos elefantes. Agora, dada a situação, os diretores removeram os assentos de madeira e metal amarrados na parte de trás dos animais. E até aí, nada de estranho. A boa notícia é que o Maesa Elephant Camp já anunciou que seus 78 elefantes, mesmo após a crise, não mais transportarão turistas. Os animais continuarão a viver livres dentro do parque, e os visitantes poderão observá-los no habitat natural deles, mas sem poder montá-los para fazer os passeios.

Isso acontecerá pela primeira vez em 44 anos e foi afirmado pelo diretor do Maesa Elephant Camp, Anchalee Kalampichit, ao Independent:

“Desde que entramos no negócio em 1976, andar de elefante sempre foi a atividade favorita dos turistas. Mas, à medida que o coronavírus se espalhou, havia menos turistas e o governo finalmente ordenou que fechássemos, então, removemos os assentos para libertar os elefantes. Não estamos planejando em colocá-los de volta, embora possamos operar novamente.

Queremos mudar o estilo do local e encontrar maneiras mais naturais pelas quais o público possa desfrutar dos elefantes. Damos as boas-vindas aos visitantes que queiram se divertir aprendendo sobre o estilo de vida dos elefantes naturalmente, em vez de usá-los para entreter os turistas.”

Estas palavras nos animam e nos mostram como o novo coronavírus pode não apenas trazer dor e sofrimento, podendo também ser uma oportunidade de mudarmos para melhor.

Dificuldades econômicas

No entanto, esses elefantes continuam a correr riscos por causa das dificuldades econômicas resultantes do fechamento do parque. Com todas as atividades suspensas e sem a entrada de turistas, os proprietários passam a ter cada vez menos disponibilidade para cuidar dos animais e, também da equipe que trabalha no interior do parque.

“Mas não deixaremos ninguém para trás e tentaremos cuidar ao máximo dos elefantes, pelo maior tempo possível. Agora estamos plantando vegetais para alimentar os funcionários e reduzir custos”, afirmou o diretor do parque.

Em todo esse contexto, há quem não seja otimista: Theerapat Trungprakan, presidente da Thai Elephant Alliance Association, em um comunicado ao New York Times, mostrou-se convicto de que, a menos que o governo ofereça apoio financeiro para ajudar esses parques a alimentar e cuidar de seus elefantes, muitos podem ser forçados a voltar para a rua ou podem ser vendidos ilegalmente.

Estamos na torcida para que a administração pública, em parceria com proprietários dos parques e cidadãos tailandeses, encontrem vias de promover ações econômicas e turísticas isentas da exploração e crueldade aos animais. Esperamos que o melhor aconteça!

Talvez te interesse ler também:

A dura vida dos elefantes: do circo aos experimentos científicos

VITÓRIA! Camboja proíbe os cruéis passeios sobre as costas de elefantes no templo de Angkor Wat

Europa pede pelo fim do comércio de marfim para proteger os elefantes

Sobre Deise Aur

Avatar
Professora, alfabetizadora, formada em História pela Universidade Santa Cecília, tem o blog A Vida nos fala e escreve para GreenMe desde 2017.

Veja Também

Vitória! Europa decide pelo fim do incentivo às touradas

As touradas já não atraem o mesmo público de antes. Dados do Ministério da Cultura …