Dia Internacional do Urso-Polar: dentro de 35 anos, 30% dos ursos-polares podem desaparecer

Dia Internacional do Urso-Polar: dentro de 35 anos, 30% dos ursos-polares podem desaparecer

Hoje é o Dia Internacional do Urso-Polar, data criada com o objetivo de alertar a população e os governos para o perigo de extinção deste animal que se encontra em situação de vulnerabilidade pela Lista Vermelha das espécies ameaçadas da IUCN.

E para alertar toda a comunidade, a notícia que chega até nós hoje é a de que dentro dos próximos 35 anos corremos o risco de perder 30% da população de ursos-polares. O aviso vem da própria IUCN (International Union for Conservation of Nature).

De acordo com a instituição, a mudança climática não só aumenta o risco de extinção de algumas espécies, como também aumenta o risco de conflitos entre a vida selvagem e os seres humanos.

Os animais buscam novos recursos para se adaptarem ao rápido decréscimo de seus habitats, e muitas vezes o mais fácil de encontrar são os recursos presentes nos assentamentos humanos. Os ursos chegam perto dos locais onde vivem os humanos apenas para encontrar comida facilmente acessível: as plataformas de gelo polares estão se afinando e os ursos não conseguem mais caçar focas para se alimentarem.

O período mais importante para a alimentação dos ursos-polares é o verão, quando eles têm que comer grandes quantidades de gordura, para poderem acumular as reservas necessárias para os meses mais frios e difíceis do ano.

O aquecimento do planeta está levando a uma redução dramática do gelo marinho no verão, reduzindo o habitat de caça desta espécie. Se o aquecimento global continuar a este ritmo, já em 2040 para o urso-polar poderá não haver mais gelo marinho no verão.

Afastá-los sem matá-los

A primeira “patrulha de proteção ao urso-polar”, foi enviada em 2006 em Chukotka, no nordeste da Rússia, onde o objetivo era afastar os animais que causavam problemas, mas sem matá-los. Hoje, a WWF continua dando apoio à equipes que trabalham no Alasca, Canadá, Groenlândia e Rússia.

“A solução pode ser colocar em segurança os recursos de fácil acesso, como os resíduos orgânicos que atraem os ursos, e o desenvolvimento de técnicas de dissuasão em casos específicos de ursos que frequentam assiduamente os lugares habitados”, diz Isabella Pratesi, Diretora de Conservação da WWF Itália.

Na Groenlândia, o trabalho está sendo feito para tornar as aldeias habitadas menos atraentes para os ursos, atraídos principalmente pela comida. No aterro de Ittoqqortoormiit foram ativados sensores infravermelhos e térmicos que detectam a presença de diversas espécies (o sistema consegue distinguir cães de ursos, por exemplo) e envia mensagens de alerta para o celular de um dos membros da patrulha.

Quantos ursos-polares existem?

Hoje, a população de ursos-polares é estimada entre 22.000 e 31.000 exemplares, 60% dos quais estão localizados no Canadá. Alguns estudos, com base na tendência de derretimento do gelo polar e o desaparecimento dramático do ‘habitat e seus recursos adequados, estimam que nos próximos 35 anos podemos perder 30% da população de ursos-polares existente.

Como tentar salvar essa espécie, e tantas outras, até mesmo a nossa, da destruição que estamos levando adiante? Os links abaixo te darão uma ideia.

Talvez te interesse ler também:

O QUE VOCÊ PODE FAZER PARA EVITAR O AUMENTO DO AQUECIMENTO GLOBAL

FLEXITARIANA: A DIETA CONTRA O AQUECIMENTO GLOBALFLEXITARIANA: A DIETA CONTRA O AQUECIMENTO GLOBAL

19 DICAS PARA REDUZIR O PLÁSTICO DA SUA VIDA EM 2019!

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *