A porteira da boiada fechou: Ricardo Salles e agentes do Ibama são investigados pela Polícia Federal

A porteira da boiada fechou: Ricardo Salles e agentes do Ibama são investigados pela Polícia Federal

A Polícia Federal acaba de fechar a porteira para a boiada do ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles.

Nesta manhã, a PF realizou uma busca e apreensão em endereços de Salles em São Paulo e Brasília e no Ministério do Meio Ambiente com o objetivo de apurar suspeitas de vários crimes: corrupção, advocacia administrativa, prevaricação e facilitação de contrabando praticada por agentes públicos e empresários do ramo madeireiro, conforme divulgado pela Folha de S. Paulo.

A PF está cumprindo mandados de busca nos estados de São Paulo, Pará e no Distrito Federal por determinação do Supremo Tribunal Federal (STF).

A operação, batizada de Akuanduba, em referência à divindade dos indígenas Araras, do Pará, tem como foco a exportação ilegal de madeira para Estados Unidos e Europa.

O STF determinou, também, o afastamento preventivo de dez agentes públicos com funções de confiança no Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e no Ministério do Meio Ambiente. O presidente do Ibama, Eduardo Bim foi afastado do cargo e Salles teve a quebra de sigilos bancário e fiscal determinada pelo STF.

Além disso, foi suspenso o Despacho nº 736900/2020, do Ibama, que relaxa as regras para exportação de madeira. O documento permitia que produtos florestais fossem exportados sem emissão de autorização pelo órgão, após pressão de empresas que tiveram cerca de 8 mil cargas de madeira ilegal apreendidas no exterior, as quais foram regularizadas pelo despacho.

A operação da PF foi iniciada em janeiro a partir do envio de informações por autoridades de países estrangeiros sobre desvios de conduta de agentes públicos na exportação de madeira. O delegado da PF do Amazonas, Alexandre Saraiva, foi afastado do cargo após atrito com Salles por causa da maior apreensão de madeira ilegal da história do Brasil.

Segundo o então chefe da PF no estado, foi a primeira vez, desde que ocupou o cargo, que um ministro do Meio Ambiente teria se oposto a uma ação que tinha como objetivo proteger a floresta amazônica. Salles chegou a ir pessoalmente ao Pará para alegar falhas na operação, ficando ao lado das empresas investigadas.

Segundo a mitologia do povo Araras, quando há o cometimento de algum excesso, Akuanduba toca a sua flauta para restabelecer a ordem. Que a boiada de Salles seja realmente interrompida e a Amazônia preservada.

Talvez te interesse ler também:

Educação ambiental em todas as escolas até 2025, orienta a Unesco

20 empresas produzem mais de 50% de todo o plástico descartável do planeta

US$ 43 milhões: o presente de DiCaprio para restaurar as Ilhas Galápagos

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *