Coronavírus reduziu drasticamente as emissões poluentes da China

Coronavírus reduziu drasticamente as emissões poluentes da China

Se o coronavírus é um inimigo do homem, certamente está se revelando um amigo do meio ambiente, apesar de tudo. Um novo estudo mostrou que a epidemia sobre a qual tanto vem se falando, reduziu as emissões poluentes na China em uma quantidade equivalente a 6% do total mundial.

A revelação foi feita por um estudo finlandês, conduzido pelo Centre for Research on Energy and Clean Air (CREA, ou Centro de Pesquisa em Energia e Ar Limpo, em tradução livre), segundo o qual as emissões chinesas de dióxido de carbono diminuíram em pelo menos 100 milhões de toneladas nas últimas duas semanas.

Como? O coronavírus paralisou a economia chinesa e os impactos sobre a demanda energética e as emissões do país estão apenas começando a ser sentidos.

A rápida disseminação do vírus – que matou mais de 2.000 pessoas e infectou mais de 74.000 em todo o país – levou a uma queda na demanda por carvão e petróleo, resultando em uma redução nas emissões, de acordo com o estudo publicado no site Carbon Brief, com sede na Grã-Bretanha.

O coronavírus e as emissões em números

A demanda por eletricidade e a produção industrial chinesa permanecem muito abaixo dos níveis usuais, conforme sugerido por vários indicadores, entre eles:

  • Uso de carvão nas centrais elétricas, o mínimo em quatro anos
  • Taxas operacionais das refinarias de petróleo na província de Shandong no nível mais baixo desde 2015
  • Produção de produtos siderúrgicos no nível mais baixo dos últimos cinco anos
  • Os níveis de poluição atmosférica de NO2 da China foram diminuídos em 36% em comparação com o mesmo período do ano passado
  • Os vôos domésticos caíram até 70% em comparação com o mês passado.

As medidas para conter o coronavírus levaram a reduções da produção de 15% a 40% nos principais setores industriais. É provável que isso tenha varrido um quarto ou mais das emissões de CO2 do país nas últimas duas semanas, período em que a atividade normalmente seria retomada após as férias do Ano Novo Chinês.

No mesmo período de 2019, a China liberou cerca de 400 milhões de toneladas de CO2 (MtCO2), o que significa que o vírus pode ter reduzido as emissões globais de CO2 em 100 milhões de toneladas até o momento. A pergunta chave é se os impactos serão compensados ​​ou mesmo revertidos pela resposta do governo à crise.

As análises iniciais da Agência Internacional de Energia (AIE) e da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) sugerem que as repercussões da epidemia podem impactar a demanda mundial de petróleo entre janeiro e setembro deste ano.

As emissões chinesas de dióxido de nitrogênio – um subproduto da combustão de combustíveis fósseis nos veículos e nas usinas de energia – também diminuíram 36% na semana seguinte ao feriado do Ano Novo Lunar em relação ao mesmo período do ano anterior.

No entanto, essa é uma redução temporária e a resposta do governo chinês à crise pode reverter o curso, aumentando a produção industrial e, consequentemente, as emissões.

Li Shuo, consultor político do Greenpeace China, explicou que após o desaparecimento do coronavírus, é muito provável que as fábricas maximizem a produção para compensar as perdas durante o período de parada.

Talvez te interesse ler também:

Por que o coronavírus aterroriza enquanto a crise climática preocupa pouco ou quase nada?

Coronavírus no Brasil: as medidas de prevenção e proteção que funcionam

Os novos chineses: “exportadores de coronavírus”, italianos sofrem preconceito

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *