Guardas financiados pela WWF investigados por violência contra pigmeus Baka do Congo

Guardas financiados pela WWF investigados por violência contra pigmeus Baka do Congo

A Organização das Nações Unidas (ONU) está investigando casos de violência contra o povo indígena Baka do Congo, na África.

O caso veio à tona após uma denúncia de que pigmeus da tribo Baka haviam sido espancados e torturados por guardas florestais armados. De acordo com o jornal inglês The Guardian, a investigação preliminar da ONU contou com testemunhos de locais que relataram os casos de abuso e violência.

Jornalistas do The Guardian obtiveram documentos que mostram que os guardas de um parque, parcialmente financiado pelo WWF para proteger a vida selvagem na República do Congo, teriam intimidado centenas de pigmeus Baka que vivem nas florestas da região.

Violência física e simbólica

Não é a primeira vez que denúncias de violações de direitos humanos contra tribos africanas chegam ao conhecimento da ONU. A Survival International já havia feito uma denúncia anteriormente, mas desta vez  a entidade obteve provas de abusos físicos praticados pelos guardas ao longo de anos, além de despejos, incêndios, confisco de alimentos e destruição das propriedades do povo Baka.

O relatório citado pelo The Guardian traz as seguintes denúncias:

“Há relatos de homens Baka torturados e estuprados dentro da prisão. A viúva de um homem Baka falou do fato de o marido ter sido tão maltratado na prisão que ele morreu logo após sua libertação. Ele foi transportado para a prisão em um veículo marcado pela WWF “.

“Violência e ameaças estão levando a trauma e sofrimento nas comunidades Baka. Tudo isso também contribui para a sua marginalização e empobrecimento”.

“Eles nos proíbem de ir para a floresta. Se fizermos acampamentos na floresta, os guardas ecológicos os queimarão. Muitos Baka morreram. As crianças ainda são poucas”.

“As surras envolvem homens, mulheres e crianças. Outros relatórios relatam guardas ecológicos apontando uma arma para um Baka para forçá-lo a espancar outro. Outros falam de guardas ecológicos que removem os facões do Baka e depois os batem com os mesmos facões. Há relatos de guardas ecológicos que forçam as mulheres Baka a se despir e permanecer nuas A relutância cultural das mulheres em falar sobre esses episódios era palpável, exceto ao declarar que haviam sofrido vergonhosas ‘humilhações’ “.

Contra o projeto da WWF

A WWF, o PNUD (Plano de Conservação das Nações Unidas), a Comissão Europeia , os governos dos Estados Unidos e do Congo e o Global Environment Facility são agentes de financiamento de um plano de conservação em Messok Dja, uma enorme floresta rica em biodiversidade e vida selvagem, onde vivem elefantes, gorilas e chimpanzés, e habitam tribos seminômades, como a Baka, há milênios.

Esse plano de conservação, chamado Projeto Tridom 11, foi lançado em 2017 e contou com o investimento de US $ 21,4 milhões no norte do Congo.

A Survival Brasil denunciou que os Baka estão sendo despejados para a criação do Parque Nacional Messok Dja. A ONG pede a seus apoiadores que exijam que a WWF pare de financiar a criação deste parque enviando um e-mail ao seu Diretor Geral, o Sr. Marco Lambertini (mlambertini@wwf.panda.org). Clique AQUI para enviar.

Trata-se de mais uma ação genocida com a intenção de roubar as terras dos povos originários sob o pretexto de que será criado um parque para a conservação da natureza. Segundo as investigações, se esse projeto for adiante, mais vidas e o meio ambiente serão destruídos.

Talvez te interesse ler também:

Mineração em terra indígena não. Repúdio e indignação. Assine a petição

Líderes indígenas vão ao Reino Unido pedir apoio ao primeiro-ministro Boris Johnson

Repúdio ao plano genocida de evangelização dos povos indígenas isolados do Brasil

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *