As melhores estratégias para acabar com o plástico no planeta, segundo especialistas

  • atualizado: 
poluição plástico

Os prejuízos ambientais causados pelo uso do plástico, principalmente os de uso único, os descartáveis, fizeram com que várias iniciativas fossem criadas para restringir o uso de canudos, sacolas e embalagens plásticas. No entanto, essas medidas dividem especialistas, pois algumas estão confundindo as pessoas e fazendo com que novos problemas sejam criados. Vamos saber quais são as trocas erradas e quais as alternativas sugeridas.

Um exemplo publicado na revista Pesquisa FAPESP é o de vendedores de coco no Rio de Janeiro que passaram a oferecer copinhos de plástico no lugar dos canudos de plástico que foram proibidos. Agir assim é "trocar seis por meia-dúzia" ou querer “tapar o sol com a peneira”. A ideia aqui é restringir o consumo do plástico e não substituir um pelo outro.

Já com relação às garrafinhas de água, ao contrário do que é sugerido, substituir o plástico por vidro não é uma boa ideia. Especialistas lembram que, além de destruir a fonte de matéria-prima advinda dos depósitos de areia, o vidro aumentaria a emissão de dióxido de carbono no transporte, pelo fato de ser um material mais pesado do que o plástico. A pesquisa ressalta a importância de avaliar a troca do plástico por outros materiais, considerando a pegada ambiental e energética de cada substituto.

Uma outra sugestão levantada é a implementação da logística reversa ou responsabilidade estendida, nas quais os fabricantes se responsabilizam por coletar as embalagens após o consumo e destiná-las para a reciclagem. Porém, a indústria do plástico discorda dessa alternativa argumentando que ela exime os consumidores dessa responsabilidade. Segundo eles, o ideal é manter a responsabilidade compartilhada, onde cada um faz a sua parte para evitar que o plástico continue a poluir o meio ambiente.

Soluções biodegradáveis

Já que o plástico tornou-se tão necessário na vida das pessoas, mas infelizmente causa muitos estragos, diversas empresas estão buscando soluções biodegradáveis para o meio ambiente. Dentre elas, as mais citadas na Pesquisa FAPESP foram:

  • Bioplástico - É feito com fontes renováveis de biomassa de origem vegetal (mandioca, milho e resíduos agrícolas). Devido à ação de fungos e bactérias, conseguem se degradar em até seis meses.
  • Plástico Verde (Braskem) - À base de cana-de-açúcar, captura cerca de 3,09 toneladas de CO2 a cada tonelada de resina produzida, contribuindo para a redução da emissão de gases do efeito estufa.
  • Filmes plásticos biodegradáveis - Feitos a partir de óleo de babaçu e da extração de pigmento de cúrcuma, são embalagens bioativas que contêm compostos fenólicos, com propriedades antioxidantes e antimicrobianas, o que ajuda na conservação dos alimentos.
  • PETase - Enzima que degrada o PET em 96 horas, transformando-o em pequenas moléculas, sem que sobrem partículas macroscópicas ou pedaços de plásticos.

Além dessas alternativas, pesquisadores e cientistas trabalham para desenvolver novos polímeros que possam ser degradados quimicamente à sua constituição molecular, para serem reutilizados na produção dos mesmos plásticos.

Todos esses projetos destacados acima ainda estão em fase de estudo e desenvolvimento e podem ser acompanhados na matéria completa da revista Pesquisa FAPESP. Clique AQUI para ler o estudo na íntegra.

Talvez te interesse ler também:

ESTAMOS RESPIRANDO E INGERINDO MICROPLÁSTICO. ONDE ISSO VAI PARAR?

O PLANETA TERRA VIROU PLANETA PLÁSTICO. PESQUISA REVELA NÚMEROS IMPRESSIONANTES

BIÓLOGO INDONÉSIO CRIA SACOLA DE MANDIOCA QUE SE TRANSFORMA EM COMIDA DE PEIXE

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!