Cada um de nós ingere 50 mil partículas de plástico por ano, e a culpa é das garrafas de água

  • atualizado: 
plástico

Cada pessoa ingere em média pelo menos cinquenta mil partículas de microplástico por ano e respira tantas outras, de acordo com o primeiro estudo destinado a estimar a ingestão de plástico pelos seres humanos.

O principal contribuinte é o hábito de beber água engarrafada, que contém 22 vezes mais microplásticos do que a água da torneira. Estamos falando de 130.000 partículas por ano, muito em comparação com as 4.000 da água da torneira.

A nova pesquisa, publicada na revista Environmental Science and Technology, é o resultado da elaboração de dados de 26 estudos anteriores que mediram a quantidade de microplástico em peixes, crustáceos, açúcar, sal, cerveja, mas também em cremes dentais, em bebidas gaseificadas e na água, bem como o contido no ar das cidades.

Os cientistas então usaram as diretrizes alimentares do governo dos EUA para calcular quantas partículas de plástico as pessoas comeriam em um ano, concluindo que os adultos ingeririam cerca de 50.000 e 40.000 as crianças. E considerando o microplástico ingerido através da respiração, chegar-se-ia a um consumo estimado entre 70.000 e 121.000 partículas por ano.

Essas estimativas, segundo os pesquisadores, seriam até otimistas pois o número real deveria ser ainda maior, uma vez que apenas um pequeno número de alimentos e bebidas foram analisados ​​para contaminação por plástico, são ainda poucos os dados referentes aos vários alimentos que existem. Mas mesmo recorrendo aos detentores, as conclusões são verdadeiramente alarmantes.

O microplástico chega de todo lugar, contaminando a cadeia alimentar e o mais preocupante é que os efeitos sobre a saúde de sua ingestão são desconhecidos, especialmente a longo prazo. Ainda porque são tão pequenos que penetram nos tecidos humanos e, hipoteticamente, desencadeiam reações imunes.

Menores do que uma semente de gergelim, alguns milímetros de diâmetro, os microplásticos provêm da desintegração dos resíduos plásticos e parecem ter se tornado onipresentes em todo o planeta. Do ponto mais profundo, na Fossa das Marianas, ao mais remoto, como no Ártico, dos rios ao solo, ao ar, estamos invadidos por fragmentos de plástico. Eles foram encontrados em amostras de fezes humanas em outubro passado, confirmando que as pessoas inevitavelmente ingerem essas nanopartículas.

"A dependência humana de embalagens plásticas e de métodos de processamento de alimentos para os principais grupos de alimentos como carne, frutas e vegetais é um problema crescente", disse Kieran Cox, doutorando em biologia marinha no laboratório do biólogo Uvian Francis Juanes, e um dos principais autores do estudo - Nossa pesquisa sugere que os microplásticos continuarão presentes na maioria, se não em todos, os artigos destinados ao consumo humano", diz Cox. "Precisamos rever a nossa dependência aos materiais sintéticos e alterar a forma como os gerenciamos para mudar nossa relação com o plástico".

Mais pesquisas são necessárias sobre os níveis de microplástico em nossos alimentos, em particular em importantes grupos de alimentos como carne bovina, aves, leite e cereais, para entender os impactos na saúde e o problema mais amplo da poluição plástica, acrescenta.

Talvez te interesse ler também:

COSTA RICA: O PAÍS MAIS LIMPO DO MUNDO. ATÉ 2021 ZERO PLÁSTICO E ZERO CARBONO

UMA CATÁSTROFE EM DESDOBRAMENTO: O PLÁSTICO ESTÁ MATANDO PESSOAS A CADA 30 SEGUNDOS

ESFERAS D'ÁGUA COMESTÍVEIS EM VEZ DE GARRAFAS DE PLÁSTICO DISTRIBUÍDAS NA MARATONA DE LONDRES

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!