Havaí é o primeiro estado norte-americano a banir sacolinhas plásticas

sacolinha adeus

Adeus sacolinhas plásticas. O Havaí é o primeiro estado dos EUA a proibir o uso das sacolas plásticas nos supermercados e mercearias. A novidade entrou em vigor em 1° de Julho deste ano.

O condado e a cidade de Honolulu - na ilha de Oahu, a mais populosa do Havaí - acaba de pôr em prática uma norma que proíbe os varejistas de entregarem sacolinhas plásticas para seus clientes. Oahu é a primeira ilha a introduzir esta nova regra e o Havaí é o primeiro estado a proibir completamente os sacos de plástico nas lojas de alimentos.

A Califórnia aprovou recentemente uma lei que exige que os supermercados vendam sacolas reutilizáveis, mas até o momento a lei espera por um referendo que acontecerá em novembro próximo. 

No Havaí, a medida não foi imposta pelo legislativo estadual, mas por todos os quatro dos conselhos municipais que seguiram as exigências do grupo ambientalista Surfrider Foundation. O grupo já em 2012 pedia pela proibição das sacolinhas plásticas, a fim de resolver os graves problemas de poluição ambiental relacionados à elas.

O plástico não é biodegradável e os EUA estão entre os maiores responsável pela formação das ilhas de plástico nos oceanos. Os sacos de plástico que acabam no mar, prejudicam a vida marinha, podendo causar a morte dos animais aquáticos se ingeridos ou por asfixia.

A melhor ideia para substituir as sacolinhas de plástico é  disponibilizar as sacolas reutilizáveis ​​para fazer compras nos supermercados. Mudar nossos hábitos pode ter um grande grande impacto sobre a saúde do planeta. Uma vez que as sacolas reutilizáveis são vendidas, se o consumidor as esquece quando vai fazer compras, tem a opção de comprá-las e quando o esquecimento atinge o bolso a memória costuma funcionar melhor.

No Brasil, como sabemos, a proibição das sacolinhas causou polêmica e estas ainda circulam por aí. Enquanto isso, quem é consciente, faz a sua parte reduzindo ao máximo o seu uso e tendo sempre consigo uma ecobag.

Leia também: Voltemos ao dilema das sacolinhas plásticas: novamente proibidas em SP