Nuvem de gás tóxico na Baixada Santista

Mais um acidente ambiental de proporções ocorre na Baixada Santista. Na qinta feira (14), no terminal da Localfrio, Guarujá, ocorreu a liberação de uma grande nuvem de gás resultante da reação de um composto de cloro com água da chuva que caía na região. A nuvem tóxica invadiu o bairro de Vicente de Carvalho, o centro de Guarujá e os bairros de Santos e, conforme os ventos, vai-se deslocando pelo continente.

Já são 4 os municípios afetados: Guarujá, Santos, São Vicente e Praia Grande.

A CETESB - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo - está procedendo às análises necessárias para detectar que tipo de contaminantes foram liberados na atmosfera mas, até o momento, nenhum comunicado oficial foi divulgado, o que deixa a população da região sem orientação clara.

Em princípio se falou da liberação de gases de cloro e amônia mas outros muitos, ainda desconhecidos, foram também liberados quando do incêndio que ocorre ainda no local, queimando outros conteiners carregados com produtos químicos.

O primeiro conteiner afetado pela chuva e que liberou o gás tóxico estava cheio de ácido dicloro isocianúrico em forma sólida que, em contato com água, entra em reação passando à forma gasosa. Esse gás provoca náuseas, ardência nos olhos, irritação na pele e dificuldades respiratórias. Segundo a Cetesb, este conteiner não estava vedado de forma adequada.

A CETESB, a Defesa Civil, os bombeiros, pedem, em várias notícias dos jornais locais, que os moradores se desloquem para regiões não contaminadas, que não saiam de casa, não fiquem à chuva, que usem máscaras, que fechem as casas da forma mais hermética possível, enfim, que se protejam como possam. A Cetesb também informou que: "Essa é uma fumaça tóxica que se desloca facilmente. As pessoas devem tomar cuidado. A Cetesb orienta que quem está fora da região fique fora da região. Quem está no Guarujá deve ficar longe dos terminais", segundo Enedir Rodrigues, gerente ambiental da Cetesb Baixada.

Outros terminais também foram interditados - TGG, Termag, Local Frio e Santos Brasil - e até o momento, 25 conteiners foram afetados pelo incêndio, que ainda não está controlado.

Fonte foto: diariodoturismo