Existem apenas seis rinocerontes brancos do norte no mundo

Existem seis rinocerontes brancos do norte no mundo

O Rinoceronte branco do norte está sob risco de extinção, após a morte de Suni, um macho de 34 anos, que vivia na Unidade de Conservação Ol Pejeta, no Quênia. Ele era o último rinoceronte macho em fase fértil. Agora, há apenas 6 rinocerontes brancos do nortes restantes no planeta.

Suni foi descoberto em seu cativeiro no dia 17 de outubro. Uma declaração da Unidade de Conservação afirma que o macho morreu de causas naturais e não por caçadores. Há uma autópsia programada para Suni. Os rinocerontes brancos do norte vivem, em média, entre 40 e 50 anos, mas o pai de Suni também morreu com cerca de 30 anos.

Suni foi o primeiro rinoceronte branco do norte nascido em 1980 no Zoológico de Dvůr Králové Zoo da República Tcheca. Posteriormente, em 2009, Suni e outros machos em idade reprodutiva foram transportados para Ol Pejeta Conservancy, por se acreditar ser o cativeiro um ambiente mais controlado para que o animal desse cria. Já nesse momento os criadores estavam desesperados pela procriação do animal – havia 8 animais – mas não procriaram naturalmente e os esforços não se revelaram frutíferos.

Os rinocerontes brancos do norte historicamente existiam em pequeno número, após terem se separado dos rinocerontes do sul. Viviam na República Democrática do Congo, Chade, República Centro-Africana, Sudão e Uganda.

Mesmo que Suni não tenha sido morto por caçadores, os humanos tiveram uma participação fundamental na diminuição dessa subespécie. Antes havia 2000 animais em 1960, mas o desmatamento e as caçadas fizeram dimunir para 15 animais apenas, no final dos anos 1980.

Os últimos quatro rinocerontes brancos do norte selvagens no Garamba National Park, no Congo, seriam transferidos para um parque protegido no Quênia, mas foram mortos antes da viagem. Os rinocerontes brancos selvagens foram declarados extintos em 2008.

A unidade Ol Pejeta sintetiza bem esse triste processo, ao afirmar que a diminuição drástica dos rinocerontes brancos do norte é “um triste testamento da ambição da raça humana.” Com a morte de Suni, a esperança de continuidade da espécie diminuiu bastante, mas como o esperma foi congelado, haverá uma série de tentativas de fazer com que as fêmeas sejam inseminadas.

Leia também: A história de Kendall Jones: a cheerleader que há 10 anos mata leões e rinocerontes