Gripe aviária: novo surto no Japão, 42 mil frangos foram abatidos 

Gripe aviária

Alerta de gripe aviária no Japão por um novo surto da doença. Hoje, segunda-feira, 29, as autoridades japonesas deram a ordem de matar 42.000 frangos, após a confirmação do nascimento de um novo surto de gripe aviária naquele país.

O proprietário de uma fazenda em Miyazaki soou o alarme no domingo, quando ele percebeu a morte súbita de um alto número de frangos. Já em meados de dezembro um outro surto de gripe aviária havia irrompido na mesma região japonesa, a 100 quilômetros de distância. Não se sabe ainda, se existe uma ligação entre os dois focos da gripe.

O novo surto de gripe aviária no Japão preocupa, porque este é o segundo caso registrado no país em um único mês. Os 42.000 frangos abatidos estariam infectados por um vírus da estirpe H5.

No primeiro caso foram abatidos 4.000 aves no Japão. De acordo com as autoridades japonesas, a prefeitura de Miyazaki estaria ameaçada pela possível propagação da gripe aviária em outras fazendas. Teme-se o envolvimento de um grande número de frangos.

O primeiro surto registrado de infecção humana foi em 1997, em Hong Kong. A gripe é causada pelo vírus influenza tipo A é difusa em todo o mundo. Na maioria dos casos, se a doença se apresenta em forma muito forte, os animais têm uma morte rápida.

O vírus da gripe aviária, H7N9, causou uma vítima na China, uma pessoa que vivia na província de Zhejiang, enquanto recentemente, uma mulher que sofre de gripe aviária em Hong Kong fora hospitalizada em estado crítico.

Em 2005 houve um surto de gripe aviária que infectou pessoas no Vietnã, Tailândia, Indonésia e Camboja. A preocupação da Organização Mundial de Saúde é sobre o possível avanço da gripe aviária em outras fronteiras, pois pandemias de gripe, geralmente provocam altos índices de mortalidade.

Em 2011, no âmbito da prefeitura Myiazaki foram abatidos cerca de 1 milhão de frangos por causa de uma grave epidemia de gripe aviária H5.

Para conter o perigo de contágio, as autoridades japonesas pediram agora às empresas que estão localizadas em um raio de 10 km da fazenda em questão, de não transportarem as suas aves fora desta área geográfica, situada no sudoeste do país.

Fonte foto: time.com