A França reconhece pela primeira vez as consequências de seus testes nucleares na Polinésia para a saúde

  • atualizado: 
França teste nuclear

É tudo verdade. A França reconheceu pela primeira vez que realizou testes nucleares perigosos na Polinésia Francesa entre os anos 1960 e 1990. Uma revelação chocante, que vem junto com o projeto de lei que introduz um novo estatuto da Coletividade no exterior.

Na quinta-feira, 23, o Parlamento adotou uma reforma do estatuto autônomo da Polinésia, que reconhece o papel desempenhado por este território no desenvolvimento da capacidade de dissuasão nuclear francesa, bem como suas consequências, em particular à saúde.

Pela primeira vez, admitiu-se que a população local sofreu danos à saúde. O parlamento francês divulgou a tão esperada admissão em um projeto de lei que reforma o status da comunidade de 118 ilhas no Pacífico Sul.

Um reconhecimento de que os 5 arquipélagos e as 118 ilhas da Polinésia estavam esperando há muito tempo. De 1966 a 1996, os atóis de Mururoa e Fangataufa foram palco de 193 testes nucleares, com reflexos na saúde da população e no meio ambiente. De acordo com os parlamentares, essa mudança deve facilitar para a população local a solicitação de indenização por câncer e outras doenças relacionadas à radioatividade.

A radioatividade

De 1966 a 1996, a França realizou 193 testes nucleares nessas ilhas de sonhos, incluindo Bora Bora e Tahiti. Eles não eram fábulas, pois havia fotos para testemunhar isso. O mais famoso é o cogumelo característico em forma de nuvem que tinha sido visto sobre o atol de Moruroa, um dos dois locais de teste junto com Fangataufa que desencadeou protestos internacionais.

"É uma declaração de princípio há muito esperada que nos permitirá reconhecer não apenas a dor causada às famílias e às vítimas, mas também como melhor compensá-las", disse o deputado socialista parisiense George Pau-Langevin.

O texto especifica em particular que o Estado "garante a manutenção e o monitoramento dos locais em questão" pela evidência e "acompanha a conversão econômica e estrutural da Polinésia Francesa após a cessação dos testes nucleares".

Para o parlamentar polinésio Maina Sage (UDI-Agir), o artigo 1 "consagra o reconhecimento da República" ao papel da Polinésia na "história do nuclear francês", mas também "o reconhecimento de claros atos de reparação" e "o fato que isso deve ser traduzido em saúde, apoio ecológico e econômico".

Satisfação da parte daqueles que, durante anos, lutaram contra essa injustiça.

Patrice Bouveret do Observatório de Armamentos (Observatório de Armamentos), uma organização independente que avaliou os impactos dos testes nucleares franceses na Polinésia desde 1984, enfatizou que a reforma reconhece o fato de que a saúde da população local pode ter sido afetada e, portanto, a responsabilidade do Estado francês de compensar tais danos.

Até agora, a França sempre afirmou que os testes eram "limpos" e que todas as precauções necessárias foram tomadas para o pessoal e os habitantes.

É uma pena, no entanto, que levou 23 anos antes que essa culpa fosse admitida. Enquanto isso, nas belas ilhas da Polinésia, a população inocente adoeceu e em muitos casos foi morta pela radioatividade.

Talvez te interesse ler também:

LÍDER ÍNDIGENA RAONI CONSEGUE APOIO DA FRANÇA PARA PROTEGER A AMAZÔNIA

FRANÇA PROCLAMA A DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DAS ÁRVORES

FRANÇA PROÍBE USO DE CELULAR EM SALA DE AULA. QUE TAL ESSA IDEIA?

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!