Brasil é referência em sementes crioulas para América Latina

Você sabe o que são sementes crioulas? Sementes crioulas são aquelas sementes produzidas, melhoradas e conservadas por uma família de agricultores e que assumem características próprias sem perderem sua qualidade, tornando-se adaptadas a condições extremas (como os milhos ou as batatas, cultivadas nos Andes, em situações inóspitas) ou sendo resistentes a pragas agrícolas, pela própria seleção natural.

São crioulas porque adaptadas a microrregiões, são crioulas porque resistem bem às pragas comuns na sua micro-área de cultivo que é o que interessa ao agricultor familiar. E, por esses motivos, essas sementes são de importância fundamental para a biodiversidade – nelas se resguarda o equilíbrio ecossistêmico da biota à qual pertencem. Não falham nas adversidades, sempre dão alimento aos humanos que as cultivam, não os deixam passar fome, porque são fortes, resilientes com as variações ambientais da sua região de cultivo. Isso as torna fundamentais também para o combate da fome, assim como a recuperação das técnicas agrícolas ancestrais, também essas, crioulas.

Guardadores de sementes – guardiões da biodiversidade e do reencontro com a natureza

As famílias que produzem sementes crioulas são os “guardadores de sementes”, importantes em cada região, em cada cultura, pelo mundo à fora, famílias que ainda hoje, geração traz geração, podem ofertar à humanidade o segredo da soberania dos povos e da produção agrícola em sintonia com a natureza.

Características das sementes crioulas

Em uma entrevista à ASACON – Articulação Nacional de Agroecologia, Flávia Londres, especialista em biossegurança e sementes e consultora do Agricultura Familiar e Agroecologia (AS-PTA) explica a diferença entre as sementes crioulas e as produzidas pela seleção científica, para a agroindústria. Diz ela que: “A seleção das variedades crioulas tradicionalmente realizada pelos agricultores familiares, ao contrário, não é focada somente na produtividade. Tomando-se como exemplo a cultura do milho, características como a produção de palha, importante para alimentação dos animais da propriedade, o porte das plantas e a espessura do colmo, que serve de sustentação para culturas trepadeiras cultivadas em consórcio, o fechamento das espigas, que protege os grãos do ataque de insetos durante o armazenamento, ou a resistência a períodos secos, podem ser tão ou mais importantes para os agricultores quanto a produtividade dos grãos. Características como o sabor ou o tempo de cozimento também são levadas em conta. O manejo da diversidade é outro componente importante desses sistemas, conferindo a eles maior segurança”.

A semente crioula que nos liberta da mentira sobre os agrotóxicos

“Não é verdadeira a afirmação de que precisamos dos agrotóxicos para alimentar uma população crescente e faminta. (...) o mundo produz comida suficiente para alimentar a todos e o que falta é igualdade de distribuição e acesso à renda para produzir ou comprar alimentos”. Essa afirmação, também de Flávia Londres no texto “Agrotóxicos, um mal realmente necessário?”, tem toda a razão de ser e não podemos esquecer a quem interessa o uso, a venda, a produção, a comercialização, a dependização do agricultor ao agrotóxico senão, e unicamente, à indústria que o produz e que busca cada vez mais lucros em seu mercado.

Essa é a razão de ser da campanha mundial pela recuperação do uso das sementes crioulas, pois assim, simples sementinhas plantadas pela mão do camponês em qualquer parte do mundo, é base indestrutível da soberania dos povos.

Leia também:

TUDO SOBRE ORGÂNICOS: ENTREVISTAMOS A ORGANICS BRASIL

Fonte foto: esalq.usp