Pariparoba: chá gostoso e curativo para digestão, fígado e muito mais

Pariparoba: chá gostoso e curativo para digestão, fígado e muito mais

A pariparoba é uma planta nativa, brasileira – uma Piperaceae de folhas grandes, cheirosas, e que dão um chá muito gostoso e curativo. Para má digestão e problemas do fígado, experimente a pariparoba. Seus sabor e seus efeitos vão te surpreender.

Qual pariparoba?

Existem duas espécies que são chamadas de pariparoba, capeba ou caapeba, seu nome indígena.

São estas a Piper umbellatum, nativa da Mata Atlântica e Piper peltatum, da Mata Amazônica, também conhecidas como Pothomorphe umbellata e Pothomorphe peltatum – estas são espécies correlatas em uso medicinal popular, como se comprova por este estudo da Fiocruz.

A planta possui potente atividade antioxidante, é anti-inflamatória e causa inibição in vitro do crescimento de Helicobacter pylori.

Uso de pariparoba na medicina popular

A pariparoba existe no Brasil todo, não só na Mata Atlântica, e em cada região ela é usada e indicada de maneiras diferentes mas ela é conhecida principalmente para tratar problemas digestivos e do fígado.

Mas, a pariparoba serve para muitas coisas mais.

Usos comprovados pela ciência

Um dos usos mais interessantes da pariparoba é para tratar fígado gordo e fortalecer os órgãos com funções importantes, digestivas, endócrinas e depurativas como são fígado, pâncreas e baço.

Outro uso da pariparoba já comprovado cientificamente é como protetora dos raios UV solares.

E mais, a pariparoba é uma das plantas reconhecidamente antimalárica e antiofídica (sobre o uso antiofídico, leia aqui este estudo comparativo).

Esta tese sobre a “Farmacologia e fitoquímica dos extratos de Pothomorphe umbellata (L.) Miq., direcionadas à atividade antiúlcera” confirma que a pariparoba tem ações anti-inflamatória, antiúlcera e que atua positivamente na redução das populações de Helicobacter pylori no nosso organismo.

A planta tem ainda efeito medicinal comprovado para redução das placas de colesterol (veja aqui) nas artérias, por redução dos processos inflamatórios que as acumulam, e sua poderosa ação antioxidante que é maior do que a da vitamina E.

Estudos brasileiros indicam também a capacidade inibidora de melanoma na pariparoba. A planta consegue proteger a pele contra a forma mais agressiva do câncer de pele. Além disso, o extrato da pariparoba ajuda a regenerar a pele restaurando a elastina e melhorando sua estrutura.

No vídeo abaixo você poderá ver sobre diversos usos da pariparoba

Neste vídeo aqui você verá uma reportagem sobre o uso dermatológico da pariparoba e uma pesquisa da USP sobre seu uso popular.

Partes usadas da planta

Na pariparoba usa-se folhas, caules e raízes.

Todas as partes desta planta tem ação medicinal comprovada empiricamente.

Alguns estudos já existem que demonstram seu potencial farmacológico.

Na medicina popular, os usos de folhas e raízes são diferenciados:

Folhas e caule – têm ação diurética, hepatoprotetora, digestiva

Raízes – possuem ação febrífuga

pribaroba 2

Indicações de usos mais comuns

  • hidropisia ou retenção hídrica
  • problemas de fígado, baço e pâncreas
  • anemia e debilidade orgânica
  • má digestão
  • furúnculos
  • dores de cabeça
  • queimaduras de pele
  • bronquites e problemas catarrais
  • dores de estômago, úlceras e gastrite
  • epilepsia
  • erisipela
  • reumatismo
  • problemas renais

Remédios caseiros com a pariparoba: receitas

Os modos de usar mais conhecidos para a pariparoba são:

  1. Como depurativo, digestivo, hepático e diurético: “em 1 xícara de chá, coloque 1 colher de chá de raízes picadas, 1 colher de chá de folhas picadas e adicione água fervente. Abafe por 10 minutos e coe. Tome 1 xícara de chá de manhã, em jejum, e outra antes do almoço”.
  2. Como estimulante, tônico e estomáquico: “coloque 2 colheres de sopa de raízes e folhas picadas em 1 garrafa de vinho branco seco. Deixe em maceração por 8 dias e coe. Tome 1 cálice, antes das principais refeições”.
  3. Em casos de gripes, bronquites, tosses, febres: “coloque 1 colher de sopa de folhas e caules picados em 1 xícara de café de água em fervura. Desligue o fogo, espere amornar e coe. Adicione 2 xícaras de café de açúcar cristal. Leve novamente ao fogo brando, até dissolver completamente o açúcar. Tome 1 colher e sopa, de 2 a 3 vezes ao dia. Para crianças dar somente metade da dose”.
  4. Como cataplasma para tratar furúnculos, queimaduras superficiais, dores de cabeça e inflamações reumáticas: “lave muito bem, enxugue e fatie 1 folha fresca. Coloque em um pilão e amasse bem. Espalhe em um pano e exponha ao vapor da água em fervura. Espere amornar e aplique, ainda morno, sobre o local afetado, na forma de cataplasma, 2 vezes ao dia”.

Como usar a pariparoba

  • Machucou, está doendo? Lave bem uma folha de pariparoba e massageie, com ela, o local dolorido.
  • Se fizer um machucado aberto – passe uma folha de pariparoba no fogo, suavemente (ou na frigideira), macere com um pouco de azeite ou outro óleo e aplique como unguento.
  • Não tem tempo de acender fogo? Mastigue uma folha de pariparoba e coloque sobre a ferida.
  • Está sentindo dor de estômago? Em um litro de água fervente jogue duas folhas limpas de caapeba. Deixe repousar até 10 minutos, retire as folhas e tome a água durante o dia.
  • Está sentindo má digestão? Mastigue pedaços de folha de pariparoba, para o estômago, fígado, baço e intestino.

Banho de ervas

A pariparoba também é uma planta ótima para fazer banho de ervas para proteção, desintoxicação e limpeza energética.

Acredita-se que a pariparoba esteja ligada à divindade Oxossi na Umbanda, por isso é  utilizada para banhos de purificação e harmonização.

Pariparoba é PANC

A pariparoba também é PANC (Planta Alimentícia Não Convencional).

Parente da pimenta-do-reino, ela também é chamada de Pimenta de Folha e, de fato, tem sabor decisivamente picante.

Pode ser usada em receitas no preparo de “charutinhos” em substituição ao repolho e às folhas de uva.

As folhas devem sempre ser bem cozidas, e podem ser preparadas da mesma maneira que se cozinha couve, escarola, repolho ou espinafre.

É rica em óleos essenciais, em vitamina C e cálcio, como indica esta publicação da USP.

Contraindicações de uso

Toda erva medicinal, embora natural e de fácil acesso, deve ser usada somente mediante indicação médica ou de algum profissional da saúde.

Principalmente pessoas com problemas de saúde, crônicos ou não, que estejam tomando remédios devem se atentar para a questão da interação medicamentosa. Qualquer erva medicinal pode causar efeito de interação com outros medicamentos ou ervas, aumentando ou diminuindo os efeitos dos medicamentos, às vezes causando problemas colaterais indesejados ou até perigosos.

O abuso nas dosagens desta planta provocará os sintomas que você pretende tratar – náuseas, vômitos, cólicas, diarréia, pequena elevação de temperatura, cefaléia, tremores nos membros, paralisia, erupções na pele, aumento da diurese.

Doses extremamente elevadas podem resultar em inflamação colecistica (fígado, vesícula) e pielorenal (rins), dores nas regiões hepato-vesicular, lombar e vesical, hematúria, presença de cristais de oxalato, uratos, de bile e de alguns resíduos celulares, sedimentos e resina na urina.

Consulte um profissional para um uso seguro desta, ou de qualquer outra planta.

Talvez te interesse ler também:

Tanchagem: a melhor erva curandeira do planeta! Veja todos os usos

Maca peruana: um superalimento de qualidades incríveis

Castanha de Baru: conheça essa maravilha do Cerrado

Fonte fotos – wikipedia

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *