Projeto pioneiro de odontologia sustentável é desenvolvido em Nova Friburgo

Um projeto pioneiro da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal Fluminense (campus Nova Friburgo) foi desenvolver a primeira estação de tratamento e reciclagem de resíduos de amálgama dental do Brasil.

A estação, que atende a todos os 95 consultórios da faculdade a separadores de amálgama/mercúrio, garante que 95% de resíduos do mercúrio sejam eliminados de forma ambientalmente correta.

O projeto da estação de tratamento foi desenvolvido junto com a instituição norte-americana Dental Recycling International (DRI). Essa parceria busca, ainda, uma atuação conjunta para desenvolver pesquisa e conhecimento para o manuseio seguro dos resíduos de amálgama, desde a separação até a reciclagem.

A preocupação com o descarte correto do mercúrio se deve a um percentual considerável desse elemento químico na utilização odontológica. 10% do mercúrio produzido no mundo são consumidos pela odontologia, que é responsável por quase 50% do descarte desse elemento químico nas cidades.

A preocupação com o correto descarte do mercúrio, que é altamente danoso para o meio ambiente e para a saúde, veio à tona após a assinatura do Tratado de Minamata, organizado pela ONU, que prevê a erradicação do mercúrio do planeta devido aos altos riscos ambientais e para a saúde provocados pelo componente.

O objetivo do projeto da UFF é garantir que os resíduos gerados pela remoção de restaurações de amálgama sejam descartados corretamente, evitando que acabem sendo despejados nas redes de esgoto. Todo o material recolhido, bem como qualquer outro que entre em contato com o mercúrio, será armazenado com segurança e enviado para a reciclagem.

Segundo Claudio Fernandes, Diretor do Núcleo Universitário de Normas Técnicas na Odontologia, "a odontologia é uma parte importante da vida brasileira e deve assumir uma responsabilidade ativa no desenvolvimento sustentável da sociedade". O projeto não é uma ação isolada. Ele é parte de uma cooperação para o desenvolvimento de uma odontologia sustentável que envolve outros parceiros, como a International Association for Oral Medicine & Toxicology (IAOMT) e a Prefeitura Municipal de Nova Friburgo.

Tomara que outras universidades brasileiras repliquem esse importante projeto da UFF, afinal, as pesquisas universitárias devem atender as demandas da sociedade.

Leia também:

MERCÚRIO: AS PRINCIPAIS FONTES E OS 10 MOTIVOS QUE EXPLICAM A SUA TOXIDADE PARA O NOSSO ORGANISMO

CAMPANHA INSTRUI O QUE FAZER COM O LIXO ELETRÔNICO

Fonte foto: uff