“Enclothed Cognition”: como usar as roupas a seu favor durante a pandemia

“Enclothed Cognition”: como usar as roupas a seu favor durante a pandemia

A expressão inglesa “enclothed cognition” não tem um equivalente perfeito em português, mas se trata da forma como as roupas que vestimos afetam nossos estados mentais.

Pode parecer, à primeira vista, uma futilidade ou inutilidade, mas o “enclothed cognition” é um ramo científico que nasce de um campo já estruturado denominado “embodied cognition”, ou seja, cognição incorporada, que basicamente quer dizer que todo o nosso corpo – e não apenas a mente – pensa.

Certamente, ao colocar uma determinada roupa, seja pela modelagem, pela cor, pelo tecido, você já se sentiu mais confortável, mais confiante ou mais bonito. Intuitivamente, isso demonstra que aquilo que vestimos afeta o nosso comportamento. É isso que o “enclothed cognition” busca entender, explica o Positive Psychology News.

Como as roupas nos afetam

Os primeiros estudos dedicados ao tema nasceram na Northwestern University, em Chicago (EUA), onde pesquisadores começaram a investigar como as roupas afetam os nossos estados psicológicos e as nossas performances. Em seus “achados”, esses estudiosos perceberam que, intencionalmente, as pessoas escolhem determinadas roupas para induzir ações mais favoráveis a elas.

As roupas foram inventadas pelos seres humanos com a função de protegê-los de circunstâncias adversas, como, por exemplo, o frio. Com o passar do tempo, a função das roupas passou a ser variada e, hoje, são uma verdadeira expressão da personalidade de quem as veste.

Os psicólogos cognitivistas Hajo Adam e Adam Galinksy, da Northwestern University, examinaram os efeitos relatados das performances de investigados que vestiram alguma peça específica do vestuário ou que foram afetados pela vestimenta de outrem, cunhando a expressão enclothed cognition para esse fenômeno que capta a influência das roupas em nossos processos psicológicos.

Vestir-se durante a pandemia

Em época de pandemia de Covid-19, pode parecer uma banalidade pensar em vestuário. Mas como o nosso guarda-roupa pode nos ajudar a realizar as atividades que precisamos fazer, ainda que de casa? E aqueles que precisam sair para trabalhar: como pensar em roupa menos “infectáveis” e mais fáceis de serem lavadas?

O primeiro grupo, que trabalha em casa, acaba escolhendo uma roupa confortável. Em geral, esta costuma ser o pijama. Mas será que permanecer de pijama o dia inteiro não seria uma forma de mantermo-nos em estado de letargia e não realizarmos aquilo a que nos propomos fazer? Será que ficar o dia todo de pijama não impediria a “virada de chave” na nossa cabeça que nos diz: você está pronto para fazer tudo o que tem de ser feito hoje?

Já o segundo grupo, que precisa sair de casa para trabalhar, tem como preocupação primeira proteger-se do vírus. Considerando que, ao retornar para a casa é preciso separar a roupa que esteve na rua e lavá-la, é importante pensar, também, em roupas cujos tecidos sejam mais duráveis, resistentes e fáceis de secar, para que sejam menos danificadas com toda essa lavagem extra.

Cada pessoa precisa conhecer o seu próprio corpo para entender como ele interpreta tais mensagens. Há quem fique de pijama e trabalhe de forma produtiva; outras pessoas já precisam de um ritual café-banho-troca de roupa para terem a sensação de que o dia começou.

A questão é que, nas primeiras semanas de confinamento, todos nós tivemos de à força nos adaptar a uma nova situação, que ainda não tem data certa para acabar. Entretanto, já não dá mais para colocarmos a culpa de nossa inércia mental e atitudinal nessa “novidade”. 

A importância da rotina

Claro que, tampouco, estamos vivendo dias normais e, cognitivamente, isso nos afeta em diversos âmbitos. Não dá para cair na armadilha da produtividade a qualquer custo, mas tentar estabelecer uma rotina com horários para dormir, acordar, fazer as refeições, trabalhar, ler, passear com o cachorro etc. são fundamentais para o nosso bem-estar neste momento.

Talvez, pensar em “com que roupa eu vou” (ainda que seja para sala ou para a cozinha) possa ser uma boa estratégia para tornar os dias mais amigáveis para realizar alguma atividade, seja ela qual for.

Talvez te interesse ler também:

1º de maio: como serão as relações trabalhistas num mundo pós-pandemia?

Giorgio Armani, carta para o mundo da moda: “não quero mais trabalhar assim, precisamos desacelerar e acabar com o desperdício”

A moda descartável está enchendo o planeta de lixo têxtil: jogamos 811% mais roupas do que em 1960

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *