Roupas ‘vivas’ à base de cogumelos, abacaxi e algas que absorvem CO2 e purificam o ar

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Cogumelos, abacaxis, algas, folhas de bananeira. Eles não são os ingredientes de uma receita, mas os da roupa do futuro e talvez também do presente. Vários designers e especialistas em moda estão tentando dar uma mão ao meio ambiente em seu setor, produzindo tecidos inovadores que podem até absorver o CO2 da atmosfera.

Nos próximos anos, ao ler a etiqueta de uma roupa poderemos encontrar caules de abacaxi, folhas de cactos, fios de banana, mas também pele de cogumelos e fibras de algas. Estes são apenas alguns dos materiais alternativos que agradam à moda e que prometem uma pegada de carbono menor. Mas não é só isso. Eles serão capazes de absorver o dióxido de carbono do ar.

Existem várias empresas, start-ups e designers empenhados nessa direção.

Nina Marenzi e a Sustainable Angle

Entre eles, Nina Marenzi, fundadora e diretora da Sustainable Angle, uma organização sem fins lucrativos que promove tecidos sustentáveis. Por ocasião da Future Fabrics Expo, a maior vitrine dedicada aos tecidos e materiais produzidos de maneira sustentável e responsável, Marenzi disse:

“A moda faz parte do problema, mas também da solução. Vamos começar com os materiais que os tornam sustentáveis ​​e, se as cadeias de suprimentos de moda podem mudar, vamos começar a fazê-lo. “

As algas que absorvem CO2 de Charlotte McCurdy

Uma das invenções mais interessantes é a da designer de Nova York Charlotte McCurdy. Para o projeto “After Ancient Sunlight”, ela criou uma capa impermeável a partir de um material parecido com plástico. Na verdade, trata-se de um bioplástico transparente à base de pó de algas usado em produtos alimentares veganos. O material é “carbono-negativo”. Em outras palavras, explora a capacidade das algas de extrair dióxido de carbono da atmosfera, limpando-a.

A jaqueta estreou na Nature – The Cooper Hewitt Design Triennial. A Fast Company a selecionou como vencedora na categoria Experimental no prêmio Innovation by Design 2019.

Post Carbon Lab e as roupas que fazem fotossíntese

Partindo do mesmo pressuposto de McCurdy, o Post Carbon Lab usou algas, mas de uma maneira ainda mais original, criando roupas que realizam fotossíntese. Trata-se de uma camada de algas vivas colocada no tecido, capaz de absorver dióxido de carbono e emitir oxigênio. Uma camisa grande, equivalente a quase um metro quadrado de material, produz, de acordo com o co-fundador Dian-Jen Lin, a mesma quantidade de oxigênio que um carvalho de seis anos de idade.

A start-up trabalhou com designers e indústrias para transformar o material em um produto comercializável. Segundo Lin, ele poderia ser usado para fazer sapatos, mochilas, tendas, guarda-chuvas e toldos para construção.

As instruções para o cuidado, no entanto, são diferentes das roupas clássicas. Não podem ser armazenadas no armário no escuro, mas em uma área iluminada e bem ventilada, como as costas de uma cadeira.

“As máquinas de lavar danificariam as algas, então elas só podem ser lavadas à mão.”

Lin e seu co-fundador Hannes Hulstaert estão testando os limites de seu revestimento, que também parece extraordinariamente resistente.

Da Piñatex a Mycotex

Existem também outros tecidos inovadores e ecológicos, entre eles o Piñatex, feito com folhas de abacaxi e usado por Hugo Boss e pela H&M, Mycotex, uma substância extraída de cogumelos, e o Cactus, uma pele de base vegetal, criada a partir de folhas, com a qual a empresa mexicana Desserto vem trabalhando.

Eles certamente não serão a solução para a emergência climática, uma vez que reduzir as emissões de gases de efeito estufa está em primeiro lugar, mas podem ajudar a reduzir o impacto da indústria têxtil e da moda.

Talvez te interesse ler também:

Barato ao bolso, caro ao meio ambiente: jovens recusam a moda descartável provocando crise no setor

O tênis feito com descarte de frutas, e que ainda pretende atrair as abelhas

Pele vegetal feita de cacto e algodão: adeus ao couro animal

Fonte e fotos: The Guardian

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
greenMe.com.br é uma revista brasileira online, de informação e opinião Editada também na Itália como greenMe.it
Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Siga no Instagram
Siga no Facebook