Cerveja amarga: Ambev e Heineken envolvidas com trabalho escravo

Cerveja amarga: Ambev e Heineken envolvidas com trabalho escravo

Essa notícia não vai descer nem redonda nem gelada, pois mostra um gosto muito amargo da cerveja.

A Venezuela, desde 2018, vem passando por uma grave crise econômica, acentuada ainda mais pela pandemia do novo coronavírus. A exploração da mão-de-obra de qualquer pessoa já seria um ato de desumanidade. Quando isso ocorre sabendo-se da crise em um país, é ainda mais trágico. E foi exatamente desse cenário que a Ambev e a Heineken se aproveitaram para ter mais lucro.

A crise na Venezuela tem feito milhares de venezuelanos buscarem uma nova oportunidade de vida no Brasil. Entretanto, ao migrarem para o país vizinho, nem sempre encontram acolhida.

Uma ação do Programa de Erradicação do Trabalho Escravo e Tráfico de Pessoas, do Ministério da Economia, realizada em março deste ano, resgatou 23 estrangeiros explorados em condições análogas à escravidão pelas empresas cervejeiras Ambev e Heineken. Os 23 trabalhadores resgatados receberão R$ 657.270 reais de indenização, cerca de R$ 28.576 reais para cada, segundo apuração do El Pais.

Os imigrantes são todos oriundos de países em conflitos humanitários: vinte e dois são da Venezuela e um, do Haiti. Eles passaram mais de um ano vivendo na boleia de caminhões, nas cidades de Limeira e Jacareí (SP), sem que tivessem direito a alojamento, conforme previsto no contrato de trabalho que assinaram com as empresas, e água potável.

Além disso, não tinham descanso semanal e executavam jornadas de trabalho extenuantes. A Sider também cobravam dos imigrantes taxas e descontos, como cobrança pela concessão de roupa de trabalho e a nacionalização da Carteira Nacional de Habilitação.

Um dos resgatados ouvidos pela reportagem de El Pais contou que, se o pneu do caminhão furasse, era descontado do salário dele. Os colegas se revezam para ajudar a cobrir esse tipo de despesa. Ao reclamarem com o supervisor dessas situações abusivas, ouviam: “se não gosta disso, então que volte para a Venezuela para passar fome” – declaração eivada de xenofobia.

A defesa da Heineken e da Ambev

A Heineken e a Ambev defenderam-se alegando que a fiscalização da situação de trabalho dos imigrantes deveria ser feita pela Sider, terceirizada contratada por elas. Entretanto, o Ministério da Economia entende que as ambas empresas são responsáveis por terem agido com “cegueira deliberada ao ignorar a devida verificação do cumprimento” das leis envolvendo a transportadora, visando apenas ao lucro “em detrimento de normas de proteção do trabalho”.

As condições de trabalho impostas pelas empresas colocaram não apenas a vida dos trabalhadores em risco como de outras pessoas, já que dirigiam fatigados. Para agravar o quadro, a Sider promovia a oferta de venda de folgas aos trabalhadores, o que é ilegal. Sem terem aonde ir, visto que viviam no caminhão, e desesperados para ganhar dinheiro para enviá-lo às famílias em seus países de origem, a maioria dos imigrantes aceitava a proposta.

A auditora fiscal do trabalho Lívia dos Santos Ferreira explicou a El Pais que a responsabilização da Heineken e da Ambev se deve ao fato de que a Lei da Terceirização exige a garantia de condições de saúde e segurança por parte da contratante. Segundo o relatório da ação, o Grupo Heineken:

“Falhou ao escolher e contratar a Sider como sua prestadora de serviços de transporte, falhou ao não fiscalizar e exigir o cumprimento da legislação trabalhista pela contratada, e, por último, falhou ao não garantir diretamente as condições de higiene, saúde e segurança do trabalho resgatados no curso do contrato de terceirização de serviços ora analisado (responsabilidade direta)”.

Em relação à Ambev:

“Resta incontroversa a imputação de responsabilidade, pelas condições de trabalho a que foram submetidos os 23 motoristas profissionais, aos contratantes Ambev e Grupo Heineken”.

Nota da Ambev

A assessoria de comunicação da Ambev entrou em contato conosco, informando o que segue:

“Assim que tomamos conhecimento da denúncia envolvendo a Sider, uma transportadora que presta serviços para a Ambev e outras empresas, imediatamente garantimos que os motoristas contratados pela fornecedora fossem levados para um hotel, onde foram acolhidos e receberam todo o suporte necessário. O nosso compromisso com os direitos humanos e fundamentais dos trabalhadores é inegociável e qualquer prática contrária a isso é inaceitável. Ao investigar o caso, verificamos que os motoristas chegaram ao Brasil de forma legal, com o apoio do governo, tinham carteira assinada e recebiam o salário da categoria. No entanto, as autoridades afirmaram que tinham jornada de trabalho excessiva e alguns não possuíam residência fixa, o que é inadmissível. Seguindo as orientações e com a concordância dos auditores fiscais do trabalho, garantimos o pagamento de todas as verbas e indenizações trabalhistas e que a transportadora providenciasse o retorno dos motoristas ao local de origem ou a vinda de seus familiares, conforme escolha de cada um. Temos há mais de 15 anos um trabalho sério de gestão das transportadoras, com um rigoroso processo de contratação, auditorias periódicas e monitoramento, a cada carregamento, da segurança dos motoristas e veículos. A grande maioria dos nossos fretes é feita por transportadoras dedicadas, que são fornecedores fixos. Uma parcela pequena é feita por transportadoras spots, que são contratadas conforme a demanda. A Sider opera no modelo de fretes spots, representando menos de 1% das nossas contratações. Já iniciamos uma revisão dos nossos processos de fiscalização e apoio às transportadoras spots, para que situações como essa nunca mais se repitam. Entre as medidas que já estão sendo colocadas em prática estão o fortalecimento dos nossos processos de auditoria, novos treinamentos e a criação e monitoramento constante de métricas de identificação de irregularidades na gestão de pessoas.”

O consumo consciente não deve fazer bem apenas para o nosso bolso e para o meio ambiente, mas deve impactar, também, a sociedade.

Antes de tomar uma cerveja, ou de comprar qualquer outra coisa, investigue as condutas das empresas que produzem o que você consome.

Talvez te interesse ler também:

Cerveja deve ter só 3 ingredientes. De olho no rótulo!

Marcas Veganas de Cerveja e Como Preparar Cerveja Vegana em casa

18 Sérios Motivos para Parar de Beber

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *