Plantar água é possível, ensina a permacultura

plantar-água

Água é fundamental à vida. Sem água morreremos nós, humanos, e todos os seres vivos do nosso planeta. Mas, é possível favorecer o surgimento de água nas regiões? Sim, e com uma técnica simples que ensina a permacultura e que eles, os permacultores, chamam de "plantar água".

A permacultura, ciência da cultura permanente, tem como objetivo a integração dos sistemas vivos na agricultura e na vida. Assim, um dos sistemas integrados oferecidos pela técnica permacultura é o que chama se “plantar água” que quer dizer, por meio de um desenho cuidadoso do uso da realidade ambiental, favorecer a acumulação de água, e seu uso racional, equilibrado, em uma área.

Para isso é preciso se aproveitar as curvas de nível do terreno, o cultivo de árvores no entorno das nascentes, a cobertura permanente do solo, a construção de canais de irrigação integrados com usos como tanques de peixes, hortas circulares em mandala, rega por capilaridade e a infiltração de toda a água que será recolhida, finalmente, no lençol freático e que, depois de filtrada, naturalmente, pela terra, ressurgirá em rios, córregos e poços.

A cobertura permanente e diversificada do solo, com plantas que usam a água de formas diferentes, que têm taxas de evaporação e transpiração diferentes, propicia, pouco a pouco, o retorno das águas usadas pelas plantas para seu crescimento que, desde que as nascentes e cabeceiras de morros estejam vegetadas, voltarão à região na forma de chuva, orvalho, garoa.

No processo de “plantar água” é fundamental também preservar-se a qualidade do líquido. Não adianta plantar água contaminada que não servirá, no futuro, para se beber, ou mesmo para se regar nossas plantas. A terra, grande filtro natural, não consegue filtrar contaminantes químicos, agrotóxicos ou derivados de petróleo.

Portanto, no sistema de “plantar água” você terá de abrir mão, com certeza, do uso dos agrotóxicos e semelhantes optando, de forma positiva, pelas técnicas agroecológicas de manutenção dos cultivos e pelo controle biológico de pragas agrícolas.

Para que isso tenha bom termo, pense no reaproveitamento integral dos resíduos gerados pela sua área de forma a que, de cada resíduo se reaproveite sua riqueza: do curral dos bois, do galinheiro, da pocilga, sejam reaproveitados na adubação orgânica todos os restos e palhadas; da cobertura do solo, que seja reintegrada ao mesmo, como cobertura verde ou mesmo seca, reconstituindo a estrutura saudável e repondo os sais minerais e matéria orgânica.

E as áreas lavadas torrencialmente pelas chuvas terão que contar com terraços, canais de drenagem e barreiras de contenção para que as riquezas do solo lavado não se perca alhures. Se esse assunto lhe é interessante recomendo que dê uma olhada nesta apostila aqui. 

O vídeo abaixo mostra algumas dicas para você ajeitar seu terreno pensando em um sistema integrado de produção de plantas e de água. E aqui, neste link, você pode se inscrever no site Guia de Permacultura, para receber maiores informações que serão muito úteis para sua autossuficiência alimentar. De uma olhada. Vale a pena. 

 

Leia também:

seta PERMACULTURA: A CULTURA PERMANENTE QUE NÃO ESGOTA OS RECURSOS

seta PERMACULTURA E RADIESTESIA PARA A SUSTENTABILIDADE

seta BRASILEIRO DESENVOLVE SISTEMA NATURAL PARA TRATAMENTO DE ESGOTO