Dublin: quando visitar e o que fazer na capital da Irlanda e arredores

Dublin: quando visitar e o que fazer na capital da Irlanda e arredores

Dublin se transformou no destino preferido dos jovens brasileiros que querem fazer um intercâmbio para aprender inglês.

A razão é simples: a receptividade dos irlandeses e o visto para o país permitir trabalhar e estudar.

De fato, o povo irlandês é caloroso e simpático, e Dublin tem os pubs mais incríveis, onde são servidas as melhores cervejas do mundo, como a Guinness, e os melhores uísques.

Sem falar que, culturalmente, a Irlanda é um prato cheio, seja em relação à sua história recente, seja em relação ao seu passado. A começar pelos grandes nomes da literatura, a terra dos campos verdes deu ao mundo James Joyce, Oscar Wilde e Samuel Beckett, George Bernard Shaw e William Butler Yeats, além, claro, do U2.

Um pouco de História…

Por falar em U2, muita gente canta a lendária canção Sunday Bloody Sunday sem saber que ela trata de um período sangrento da história irlandesa.  A música, que se tornou um hino na década de 1980, faz referência a uma passeata civil ocorrida em 1972, em Creggan, em Derry, no norte da Irlanda, que foi violentamente reprimida pelas autoridades britânicas.

A Irlanda do Norte, até hoje, é território do Reino Unido, diferentemente do sul, onde está a capital, Dublin. A manifestação resultou em 13 mortos e 14 feridos. A motivação do protesto foram as prisões arbitrárias de supostos membros do Exército Republicano Irlandês, o IRA, um grupo terrorista nacionalista que queria a independência da Irlanda do Norte. O diretor Paul Greengrass fez o filme Domingo Sangrento para contar essa história.

A Irlanda do Norte, naquele momento, é um território de disputas entre católicos, que querem a reunificação com a República da Irlanda, e uma maioria protestante, que é nacionalista e quer se manter ligada ao Reino Unido. Temos que voltar no tempo para entender a questão.

O rei Henrique VIII, no século XVI, promoveu uma cisão com a Igreja Católica fundando a Igreja Anglicana. Assim, os primeiros protestantes foram ganhando terreno no Reino Unido e os católicos se refugiaram ao norte. No século XX, quando a República da Irlanda se torna independente, o conflito se agrava porque o norte continua sob o domínio britânico.

Esse caldo histórico de ressentimento fez de Derry um campo de batalha entre civis e as tropas militares britânicas, que atiraram na multidão. Em represália, o IRA convoca a população para uma greve geral. Em Dublin, o IRA incendeia a embaixada britânica. A luta armada por direitos civis seduz cada vez mais jovens para o IRA.

Belfast

Em Belfast, na Irlanda do Norte, essa história ainda está viva. A cidade é dividida por um muro que separa o lado católico do protestante. Há vários muros pintados com mensagens de paz e outros que relembram esse passado recente. Também se encontram pelas ruas da cidade homenagens aos mortos.

No final da década de 1990, a Irlanda do Norte recupera a autonomia com um governo de coalizão entre protestantes e católicos.

O que fazer em Dublin – o que visitar

Dublin, por outro lado, é uma cidade mais festiva, no sentido de que está mais internacionalizada e alinhada com os valores da União Europeia.

Os pubs são o ponto alto da cidade, além de vários restaurantes interessantes. Você pode começar a sua saga pelo Temple Bar, uma área situada na margem sul do rio Liffey. A vida noturna aí não tem hora para acabar.  O Brazen Head, um pub à beira do rio, é o mais antigo da Irlanda, tendo sido fundado em 1198.

Daí, há vários lugares interessantes para conhecer, como: o Centro Irlandês de Fotografia (Irish Photography Centre), o Centro Cultural Infantil de Ark (Ark Children’s Cultural Centre), o Instituto Irlandês do Cinema (Irish Film Institute), o Temple Bar Music Centre, o centro de arte moderna Arthouse Multimedia Centre, a galeria Temple Bar Gallery and Studio. Depois, siga andando até o City Hall, onde há várias lojinhas charmosas.

O prato típico dublinense é o clássico fish and chips. Não dá para estar em Dublin sem beber a deliciosa Guinness. É possível visitar a fábrica da cerveja, bem como as destilarias onde são fabricados os famosos uísques irlandeses.

O Trinity College é uma renomada universidade de Dublin que vale uma visita. Seus prédios históricos e os belos jardins merecem ser conhecidos em uma agradável caminhada. Com sorte, é possível encontrar gratuitamente algum concerto musical rolando nas dependências da universidade.

Na histórica Parque Merrion Square, você pode conferir a estátua do escritor Oscar Wilde, erguida em 1997. Dali, siga para vários pontos de interesse, como o James Joyce Centre, um centro cultural dedicado a um dos escritores mais importantes do século XX, James Joyce, autor do clássico Ulysses e de Retrato do Artista Quando Jovem. Não deixe de ir a Old Library, uma das mais antigas e belas bibliotecas do mundo, onde também acontecem várias exposições.

Já que falamos tanto dos conflitos religiosos na Irlanda, não dá para deixar de fora do roteiro a Catedral de St. Patrick.

Se você gostar de conhecer museus, a agência Seda Intercâmbios preparou um roteiro com 5 museus imperdíveis da capital irlandesa.

Quando visitar (melhor período)

Tenha em mente que a Irlanda é um país úmido e, mesmo no verão, você pode encontrar chuva e temperaturas amenas.

O gráfico mostra como sáo, em média, as chuvas e as temperaturas mínima e máxima durante todo o ano:

Fonte gráfico

Andar com um guarda-chuva ou uma capa de chuva a tiracolo é fundamental. As noites de verão podem chegar a fazer 12 graus Celsius, que é muito bom para passear e curtir, visto que o verão europeu cansa.

Outro acessório importante é um cachecol ou lenço para proteger o pescoço do vento. Um casaco corta-vento e impermeável também é um item a se considerar para colocar na mala.

Essa indumentária toda pode valer para o verão, mas para o inverno é essencial, quando deve ser levada aquela roupa denominada “segunda pele”, além de calçados impermeáveis, de preferência.

Em setembro, quando chega o outono, os preços em Dublin caem um pouco, o que pode ser um bom período para conhecer a cidade, que é, sim, cara. Já em fevereiro e abril, apesar das temperaturas baixas, o fator menor precipitação e baixa estação também podem ser atraentes.

Além de Dublin, o que visitar

Já que você chegou à Irlanda, que tal esticar a viagem para além de Dublin e conhecer aquelas paisagens paradisíacas à la Game of Thrones?

O e-Dublin preparou um guia para o visitante conhecer as locações onde a série foi filmada. Elas estão em Belfast, além do Castelo Ward e Ballyntoy Harbour, localizado entre a ponte Carrick-a-rede e a Calçada dos Gigantes, e as cavernas de Cushendum, em Antrim.

De Dublin, você pode partir para outras cidades irlandesas, seja para um bate-volta, seja para permanecer nelas. Um desses lugares é Cliffs of Moher, uma região no oeste da Irlanda onde há paredões de pedra de frente para o mar que formam uma das vistas mais belas e impressionantes do país.

O Hostelworld fez uma lista com 15 cidades para conhecer, além de Dublin e das que indicamos, em sua visita à Irlanda.

Tenha em mente que o câmbio no sul é em euro e, no norte, é em libra esterlina. Apesar de esta valer mais do aquele, o sul é mais caro do que o norte.

A Irlanda é um pequeno país que abarca uma cultura extremamente diversa. Seu povo é simpático e acolhedor e suas paisagens são de tirar o fôlego.

Boa viagem!

Talvez te interesse ler também:

O reino de Frozen existe e fica na Áustria, mas corre o risco de colapsar pelo excesso de turistas

Butão, o país mais feliz do mundo, é eleito pela Lonely Planet como o melhor destino de 2020

Nong Han: como conhecer esse onírico lago de flores de lótus na Tailândia

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *