Síndrome de Burnout – Quando o esgotamento profissional se torna doença

  • atualizado: 
síndrome de Burnout

O trabalho é uma parte essencial e significativa da vida das pessoas. E muitas, na busca por uma boa posição profissional e, principalmente, para cumprir as demandas de sua atividade de atuação, acabam por supervalorizar o emprego de uma forma perigosa.

É quando entram em cena o estresse, a exaustão, a queda na autoestima por não conseguir cumprir as metas, entre outros sintomas. Esse quadro – tão comum com as exigências da vida moderna – pode configurar uma doença: a Síndrome de Burnout. Você já ouviu falar dela? Saiba o que é exatamente esse distúrbio, como identificar e prevenir o problema.

 

1. O que é a Síndrome de Burnout?

A Síndrome de Burnout é um distúrbio psíquico causado por um esgotamento profissional. Esse termo foi criado pelo psicólogo Herbert Freudenberger, em 1974, que diagnosticou em si próprio esse transtorno. A Síndrome está diretamente ligada ao ambiente profissional, principalmente às áreas de saúde, assistência social, bombeiros, policiais e educadores.

Profissões muito competitivas ou de responsabilidade são mais suscetíveis ao desenvolvimento do distúrbio. Estima-se que no Brasil 30% de 100 milhões de trabalhadores tenham a Síndrome de Burnout, de acordo com levantamento da Internacional Stress Management Association (ISMA).

A sobrecarga de trabalho, a falta de reconhecimento o excesso de exigências podem ser fatores desencadeadores.

2. Sintomas da síndrome de Burnout

Os sinais que identificam a síndrome chegam aos poucos, até que se instale o quadro. Além do estresse, agressividade, instabilidades de humor, falta de concentração, baixa autoestima, cansaço, isolamento e a sensação de completo esgotamento físico e emocional são sintomas importantes.

Quando em estado avançado, a síndrome pode resultar em quadros de depressão profunda, úlceras, cardiopatias, insônia, pressão alta, dores pelo corpo, enxaqueca, abuso de álcool e outras drogas e até suicídio.

3. Como tratar

Muitas vezes o diagnóstico da Síndrome de Burnout é complicado, e pode acontecer da própria pessoa não reconhecer que está passando por um distúrbio. No entanto, ao observar os sinais que identificam a doença, é importante, primeiramente, procurar ajuda médica, pois somente um profissional será capaz de fazer o diagnóstico correto e tratar de modo adequado o problema.

Entre as formas de tratamento estão a psicoterapia e, em alguns casos, a medicação com antidepressivos.

Atividades físicas e de relaxamento também são essenciais para que a pessoa volte a sentir-se bem novamente.

Além disso, é essencial ressignificar o trabalho, dando espaço para outras áreas da vida, e, principalmente, aos momentos de lazer.

4. Como prevenir

Para evitar que a Síndrome de Burnout se instale é importante tomar algumas medidas, no dia a dia, como:

- TER MOMENTOS DE LAZER - Insira na rotina momentos para fazer coisas que gosta, tenha hobbys e não abra mão desse espaço do dia, pois isso é essencial para evitar o esgotamento físico e emocional;

- DESCANSAR – Atividades relaxantes e uma boa noite de sono também são essenciais para recuperar as energias;

- CONVERSAR – Ter pessoas com as quais possa contar pode ajudar bastante. Aprenda a dividir não somente as coisas boas, mas as dificuldades, as aflições e angústias;

- FAZER COISAS DIFERENTES – Almoce em um lugar novo, ande por caminhos diferentes, faça pequenas mudanças na rotina para “refrescar” a mente;

- PRATICAR ATIVIDADES FÍSICAS – Exercícios são importantes pois liberam substâncias responsáveis pela sensação de bem-estar, além do ganho para a saúde que tais atividades proporcionam.

Trabalhar é necessário e importante. Trabalhar também pode ser bom e prazeroso mas tudo tem limites e nada em excesso faz bem. Cuide-se!

Gostou deste post? Talvez te interesse ler também:

seta

OS ABSTÊMIOS FALTAM MAIS AO TRABALHO DO QUE SEUS COLEGAS QUE BEBEM

setaPESSOAS COM MAIS DE 40 ANOS DEVEM TRABALHAR MENOS

setaVEJA PORQUÊ TODOS DEVERÍAMOS TRABALHAR SÓ 4 DIAS POR SEMANA