Cerca de metade das brasileiras perde emprego após licença-maternidade

  • atualizado: 
licença-maternidade

A licença-maternidade é um direito previsto em lei que assegura às trabalhadoras gestantes que contribuem para a Previdência Social o recebimento do benefício salário-maternidade em razão de parto ou adoção. O direito à licença também é concedido a mulheres que sofrem aborto espontâneo ou dão à luz um bebê natimorto ou que morre durante o parto, após a 20ª semana de gravidez. No caso da adoção, a mãe tem seus direitos garantidos em lei e recebe a licença-maternidade pelo período de 120 dias corridos.

Apesar desse direito fundamental, muitos empregadores dão um jeito de driblar a lei quando o benefício acaba. Segundo a pesquisa "Licença-maternidade e suas consequências no mercado de trabalho do Brasil", feita pela Fundação Getúlio Vargas, 48% das mães são demitidas nos primeiros 12 meses após terem seus filhos. O estudo se baseou em dados do Ministério do Trabalho, acompanhando a presença no setor privado de 247.455 mulheres, com idade entre 25 e 35 anos, que tiraram licença maternidade entre os anos de 2009 e 2012.

Segundo publicado por Época, no momento da licença, todas as mulheres estavam empregadas, mas terminado o fim do período de estabilidade (quinto mês após o parto), a vida dessas mulheres começa a mudar: 5% não trabalham mais. No sexto mês, 15% das mulheres estão desempregadas. E, ao fim de 12 meses após o início da licença maternidade, 48% das trabalhadoras já não ocupam os seus postos de trabalho.

MENOR NÍVEL DE ESCOLARIDADE, MENOR EMPREGABILIDADE

Outro dado da pesquisa aponta que, quanto maior o nível de escolaridade da mulher, mais chance ela tem de continuar no mercado de trabalho. Segundo Cecilia Machado, professora da FGV/EPGE: "Muitas vezes, as empresas treinam profissionais com elevado nível educacional e não querem perder esse investimento, o que aumenta os benefícios da permanência no emprego. Já as mulheres com menor qualificação são desligadas mais facilmente, pois a empresa não perde nenhum investimento".

A lei garante a estabilidade das gestantes por toda a gestação e por cinco meses após o parto. Findo esse prazo, as mulheres têm de lidar com a procura por uma creche ou cuidadora, que muitas vezes não têm um horário compatível com a sua jornada de trabalho. Algumas acabam não voltando ao trabalho por não conseguirem conciliar maternidade e trabalho.

Mesmo antes do retorno ao trabalho, muitas grávidas já sentem desconforto por simplesmente estarem grávidas! Os colegas de trabalho já a tratam como um iminente problema, já que elas estariam mais suscetíveis a terem problemas devido aos contratempos da gestação e dos filhos, quando retornam da licença.

Obviamente, a disponibilidade da mulher fica menor, mas isso, longe de ser uma vergonha, deveria ser tratado com naturalidade. As gestantes e mães deveriam encontrar um espaço de apoio para terem a tranquilidade de serem mães de forma tão “eficiente” quanto a que lhes é exigida no ambiente de trabalho. Muitas mulheres não são demitidas, mas sentem uma diferença de tratamento, como uma punição por estarem grávidas ou serem mães.

O mercado de trabalho não acolhe a mãe e, consequentemente, o seu filho. Não se pode fingir que “nada” aconteceu na vida da mulher que volta ao trabalho após ter se tornado mãe, ou exigir que ela separe a vida profissional da vida pessoal. Mães e filhos têm suas vidas massacradas pelas exigências do mercado de trabalho.

Sentindo isso na pele, Cintia Dalpino criou o site MaeatWork para dividir as suas angústias e experiências com outras mães. Ela busca mostrar novos modelos, dando visibilidade a empresas que adotam políticas em relação à famílias que acabaram de ter filhos e a mães que trilharam caminhos alternativos na busca de modelos de trabalhos que as fizessem conciliar carreira e maternidade.

APOIO E SOLIDARIEDADE

É claro que quando a mulher tem o apoio de um companheiro ou companheira tais decisões, embora complexas, são facilitadas porque ela não está sozinha e recebe um amparo. Mas, infelizmente, essa não é uma opção para muitas mulheres.

Se queremos viver em uma sociedade melhor, temos de exercitar a solidariedade em várias frentes de ação, e uma delas, das mais importantes, é dar acolhimento a famílias que acabam de receber uma criança em casa.

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!