Aprenda a elevar sua autoestima com o filósofo Michel de Montaigne  

Aprenda a elevar sua autoestima com o filósofo Michel de Montaigne  

Incrível como um filósofo do século XVI pode ser tão atual e este é o caso de Michel de Montaigne, que viveu na França em um período de transição do período medieval para a modernidade.

Esse filósofo percebia a relatividade da existência, valorizava o banal e o corriqueiro, admirava os animais por sua sabedoria simples, e via com abertura a diversidade humana.

Nada passava despercebido à mente atenta desse filósofo. Até questões aparentemente insignificantes do cotidiano ou do comportamento humano, tinham relevância para ele.

Por sua visão  realista e livre, Montaigne enxergou que as causas da inadequação e da baixa autoestima percebida em algumas pessoas, têm relação com o comportamento massificado e a necessidade de aprovação do ser humano.

Para ele, a origem dos desequilíbrios humanos está na tendência humana em dividir o mundo entre o que é normal e o que é anormal. E a forma de transcender essa divisão, seria a aceitação, tanto de si, como dos outros, mesmo que não estejam nos padrões de “normalidade” da sociedade.

Seguindo essa linha de pensamento, a idealização do que é normal só traz angústia e falta de aceitação, a nós mesmos e aos outros!

Montaigne era uma filósofo à frente se seu tempo. Saiba mais sobre ele, pois, seus pensamentos podem ser muito úteis para você.

Sobre a vida de Michel de Montaigne

O filósofo Michel Eyquem de Montaigne nasceu na França, em Castelo de Montaigne, na data de 28 de fevereiro de 1533 e morreu em 13 de setembro de 1592.

Além de filósofo, Montaigne foi político, jurista, escritor e considerado o inventor do estilo literário ensaio pessoal (baseado na vivência individual).

Em suas obras, ele questionou os dogmas e a sociedade de sua época, tendo como objeto de estudo a humanidade, partindo de si próprio e da observação de outros seres humanos.

Ele tinha uma visão crítica sobre a educação tradicional, baseada somente em conteúdos de livros e memorização (memônica). Por isso, sua filosofia propõe um ensino focado na experiência e na ação, ou seja, na vivência individual.

Para ele, a educação deveria formar indivíduos para saberem vivenciar as experiência do cotidiano com mais compreensão, simplicidade, praticidade e menos teorias intelectuais.

O enfoque da filosofia de Montaigne

Os ensaios pessoais de Montaigne se converteram no livro Ensaios (em francês, Essais), que é constituído principalmente na expressão do ser humano em todas as suas peculiaridades, revelando suas vulnerabilidades e incongruências ao lidar com o cotidiano da existência.

Seus pensamentos filosóficos nasceram da observação de si mesmo e dos outros e, assim, ele conseguiu compreender a complexidade humana diante do fluxo da existência.

Montaigne em sua filosofia não teve a intenção de dar respostas, e foi com suas incertezas que se originou o seu cepticismo e pragmatismo, por isso, apresentou-se reticente em relação a misticismos, religiões e crenças. Enfim, ele tinha uma visão realista da Vida.

O ser humano, segundo Montaigne

Em sua visão filosófica, Montaigne preconizava a inconstância humana. Por isso, ele combatia pensamentos definitivos e fixos, por acreditar que o ser humano é contraditório por natureza.

Em seus Ensaios, Montaigne ressaltava que as ações de uma pessoa dependem das circunstâncias do momento, mais do que da sua personalidade e do seu raciocínio, ou seja, uma mesma pessoa poderia agir de maneiras completamente diferentes, de um dia para o outro, ou de tempos em tempos.

Ele compreendia que uma mesma pessoa pode apresentar muitas divergências, por isso ele via o ser humano como mutável e flutuante.

De acordo com Montaigne, um indivíduo é influenciado por cada acontecimento, sendo assim, não é possível determinar que a ação de uma pessoa revele o que ela é de fato, pois, o ser humano está sempre oscilando e mudando.

Dentro da análise de Montaigne, o que uma pessoa faz em uma determinada situação corresponde ao estado em que a pessoa está naquele momento, e não ao que ela é. Enfim, sob essa óptica, o ser humano é um ser plural e não singular.

Em suma, sob esse pensamento filosófico de Montaigne, são as circunstâncias da situação que determinam a ação.

Uma aula sobre Michel de Montaigne

Neste vídeo do canal TV Poliedro, o professor Gui de Franco explica mais sobre Michel de Montaigne e sua filosofia.

Pensamentos e lições de Montaigne

Seguem alguns dos pensamentos de Montaigne que podem nos ajudar a viver melhor:

“À proporção que o homem exterior se destrói, o homem interior se renova.”

“Podemos ser instruídos com o conhecimento de outro, mas não podemos ser sábios com a sabedoria de outro.”

“Se não posso regular os acontecimentos, regulo a mim mesmo.”

“A pior desgraça para nós é desdenhar aquilo que somos.”

“Mesmo no mais alto trono do mundo estamos sempre sentados sobre o nosso traseiro.”

“À beira de um precipício só há uma maneira de andar para frente: é dar um passo atrás.”

“É uma perfeição absoluta, como que divina, o sabermos desfrutar lealmente do nosso ser.”

“Quem deseja diminuir a sua ignorância deve, em primeiro lugar, confessá-la.”

“Ninguém determina do princípio ao fim o caminho que pretende seguir na vida; só nos decidimos por trechos, na medida em que vamos avançando.”

“Viver é o meu trabalho e a minha arte.”

“O sinal mais seguro da sabedoria é a constante serenidade.”

“Nada há de mais belo e legítimo do que o homem fazer o bem e como deve ser, nem ciência tão difícil do que saber viver esta vida bem e naturalmente; e, de todas as nossas doenças, a mais terrível é desprezar o próprio ser.”

O que Montaigne nos ensina para superar a falta de autoestima

Montaigne dizia que existem 3 tipos de inadequações que provocam a baixa autoestima nas pessoas. Saiba quais são eles, com os exemplos a seguir:

  • Inadequação física – Não aceitar sua aparência, seu corpo, enfim, não se sentir de acordo com os padrões de beleza vigentes.
  • Inadequação por julgamento dos outros – Se preocupar com o que os outros pensam ou acham de você.
  • Inadequação intelectual – Por se sentir menos inteligente ou instruído que os outros.

Montaigne não apontou somente os problemas, ele deu a solução para superar essas inadequações e ter uma boa autoestima. Em síntese, o que ele ensina é o seguinte:

Aceitar-se como se é, com suas peculiaridades, características, aparência, limitações e valorizar cada parte sua, que te faz ser quem você é!

Ele também ensinou o que fazer quando se for alvo de  preconceito e discriminação, fatores que prejudicam a autoestima das pessoas. Em resumo, seus conselhos é viajar física ou mentalmente para se deparar com a diversidade do mundo.

Baseado nessa ideia, a diversidade compõe a existência e o ser humano que, com sua mania de padronizar, cria o preconceito em vez de valorizar as diferenças e a essência de cada ser.

Quando baixar a autoestima, lembre de Montaigne e valorize-se por ser simplesmente você mesmo!

E agora, delicie-se com esse vídeo do escritor e filósofo Alain de Botton, tendo uma boa viagem filosófica!

Talvez te interesse ler também:

Estoicismo, a Filosofia do Viver em Paz. 10 Ensinamentos para a Vida

Mundo pós-pandemia: o que poderá mudar no comportamento humano?

O Dilema do Porco-Espinho: qual distância devemos manter uns dos outros?

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *