Família
Família

Família funciona quando os indivíduos estão conectados profundamente, mas não vinculados

Toda família tem que enfrentar, ao longo do tempo, seja as suas normais fases “evolutivas” que situações críticas imprevistas. A capacidade de superar todas as dificuldades e fazer delas um tesouro, depende da sua modalidade de “funcionamento”, ou seja, do como as pessoas que fazem parte dela são percebidas, e atuam, dentro do núcleo familiar em relação a três dimensões: coesão, adaptabilidade e comunicação.

Um aspecto importante, naturalmente, é o vínculo emocional: o sentir-se próximo ou distante emocionalmente dos familiares, além do aspecto cognitivo que tem a ver com sentimento do “pertencer àquela família”, o que também inclui o respeito pelas fronteiras, tanto pessoais como de papeis.

Todos esses aspectos definem o nível de “coesão” familiar: quando é harmonioso e equilibrado, é possível sentir a família como um lugar seguro para se refugiar, encontrar apoio mesmo nos momentos mais difíceis, e onde cada um é respeitado em sua singularidade.

As possíveis nuances são infinitas e – de acordo com o modelo circumplexo de Olson – são colocadas ao longo de um continuum que vai desde o desimpedimento (dado por um baixo nível de coesão, ou seja, o vínculo emocional, o desejo de compartilhar emoções e afetos é baixo, as pessoas cuidam cada uma de si e, diante das dificuldades não enquadram uma estratégia comum) ao envolvimento (onde a coesão é muito alta e há uma tendência a não se respeitar as diferentes “fronteiras” internas. Este é o caso, por exemplo, de pais invasores que não deixam espaço para a autonomia dos filhos – aqui, o vínculo emocional é mais um cordão condicionante do que um espaço afetivo de liberdade e respeito).

Se a flexibilidade familiar é excessiva, a família não consegue estabelecer e reconhecer as regras internas, nem as práticas em comum que a distingue das outras famílias, e que são uma modalidade de funcionamento que a ajuda e a apoia em tempos de crise.

No extremo oposto, nas famílias com regras rígidas, intocáveis, imutáveis ​​e indiscutíveis, a possibilidade de mudança não é sequer levada em consideração, mesmo quando situações críticas, novos eventos, tornam necessárias as mudanças.

A qualidade e o modo de comunicação familiar são condicionados pelos aspectos emocionais e de adaptabilidade que acabamos de mencionar (rigidez x flexibilidade excessiva).

As possibilidades de expressar necessidades, sentimentos, pensamentos, de maneira mais ou menos autêntica e empática, obviamente dependem sobretudo de como e de quanto o ambiente familiar é receptivo, capaz de ouvir e de acolher.

O que David R. Olson descobriu em sua pesquisa que envolveu cerca de 1200 famílias de diferentes “consistências” e ciclos de vida, talvez você possa imaginar:

Funcionam melhor e por mais tempo as famílias em que as pessoas se sentem conectadas, profundamente, mas não vinculadas. Cujos membros, juntos, sabem como fluir com a vida.

About Redação GreenMe

Redação GreenMe
greenMe.com.br é uma revista brasileira online, de informação e opinião Editada também na Itália como greenMe.it
Previous Palo Santo: conheça suas propriedades curativas e terapêuticas
Next Fazer teatro: principalmente às crianças, faz um bem danado!

Check Also

Quartzo rosa: a pedra que atrai paz e amor verdadeiro. Como usar

Para os místicos, o quartzo-rosa é conhecido como a pedra do amor e da paz …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *