Mudança climática: um apelo chocante do British Medical Journal à OMS

apelo chocante do British Medical Journal à OMS

O British Medical Journal mandou um apelo chocante à OMS, para que esta declare emergência para a saúde pública mundial por conta da mudança climática.

Quando a revista começou a publicar artigos dedicados à mudança climática, parece que alguns leitores não tinham entendido a sua correlação com os riscos à saúde.

Mas especialistas continuaram suas pesquisas, convencidos da ameaça que esta representa para a saúde humana e sua sobrevivência, e então decidiram recorrer diretamente aos médicos com a publicação de um artigo intitulado: "The science of anthropogenic climate change: what every doctor should know".

A mensagem é voltada diretamente para os profissionais da saúde e que, portanto, devem estar cientes dos riscos associados às mudanças climáticas. De acordo com Fiona Godlee, editora-chefe do British Medical Journal, o homem é responsável pelas mudanças no clima e por isso, é provável que arruine a humanidade com suas próprias mãos.

Até agora a maioria da comunidade científica concorda sobre a ameaça representada pelo aquecimento global à sobrevivência humana. São as atividades humanas que, nos últimos 50 anos têm causado o aumento da temperatura do planeta, principalmente por causa das emissões de CO2.

Os efeitos do aquecimento global já estão diante de nossos olhos: as geleiras estão derretendo e o nível do mar está subindo. Segundo os últimos dados fornecidos pelos especialistas, se não agirmos para reduzir as emissões de CO2, a temperatura da Terra aumentará em 4 graus até 2100.

Os Estados Unidos já estão prevendo a próxima migração para o Alasca, com pessoas fugindo das áreas que serão mais afetadas pelas alterações climáticas e que se tornarão verdadeiros refugiados climáticos. De acordo com a editora-chefe do British Medical Journal, o estilo de vida a baixo impacto de carbono nos levará à menores taxas de obesidade, diabetes e câncer, doenças agora, infelizmente, comuns e relacionadas com o bem-estar econômico, que não se alcançou sem que houvesse um impacto mortal para o clima e para o planeta.

Finalmente, para Godlee, as mortes causadas pelo Ebola, embora trágicas e assustadoras, são insignificante quando comparadas com o caos que podemos esperar para os nossos filhos e netos, se o mundo não fizer nada para controlar as emissões de carbono. O seu aumento contínuo, se nenhuma medida for tomada para freá-la, irá gerar um verdadeiro alarme de saúde de toda a humanidade.

Fonte foto: assets.worldwildlife.org