desreguladores endócrinos
desreguladores endócrinos

ZERO desreguladores endócrinos em cosméticos, brinquedos e na comida europeia

O Parlamento Europeu acaba de adotar uma resolução que reivindica maior ação da União Europeia na legislação dos produtos químicos desreguladores do sistema endócrino, aqueles que são danosos à saúde das pessoas.

Com essa medida o Parlamento assume o compromisso de proteger o público da exposição aos desreguladores endócrinos. Estas substâncias são encontradas em produtos infantis, de higiene, em cosméticos, em embalagens de alimentos, em pesticidas, em móveis, entre outros produtos.

Esta resolução norteia a Comissão Europeia a direcionar uma legislação, até junho de 2020, sobre os compostos químicos de desregulação endócrina que estão inseridos em vários produtos de consumo.

Estes compostos representam uma perigo à saúde, semelhante ao perigo dos agentes cancerígenos, causando mutações genéticas e produzindo toxinas reprodutivas, por isso, devem receber o mesmo tratamento jurídico.

Os produtos químicos desreguladores do sistema endócrino geram sérios problemas de saúde como: diabetes, obesidade, distúrbios do neurodesenvolvimento, problemas reprodutivos, doenças degenerativas, além de prejudicar o desenvolvimento de bebês na gestação, de crianças e adolescentes.

A resolução do Parlamento salienta a necessidade do desenvolvimento de melhores testes e estratégias para identificar os químicos desreguladores do sistema endócrino e solicita que a Comissão Europeia promova pesquisas relacionadas a estes compostos, para entender de forma completa o impacto desses sobre a saúde pública.

Os compostos químicos que desregulam o nosso sistema hormonal

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), há cerca de 800 compostos químicos suspeitos de desregular o nosso sistema hormonal, a maior parte destas substâncias estão sendo investigadas. A Comissão Europeia já confirmou que 66 destes interferem de forma nociva no sistema endócrino. Entre estes compostos estão o bisfenol A (BPA), a dioxina, a atrazina e vários ftalatos (BBP, DEHP, DOP e DBP) encontrados em vários produtos de consumo.

A Endocrine Societ, que já vinha há tempos requerendo esse tipo de regulamentação, recebeu a notícia desta resolução, com entusiasmo e elogiou a ação do Parlamento Europeu.

Angel Nadal, Ph.D., presidente do Grupo Consultivo EDC da Sociedade e professor em Miguel Universidade de Hernández em Elche, Espanha, recebeu com contentamento essa resolução, dizendo:

“Esta votação bem-vinda mostra que todos os principais grupos políticos do Parlamento estão empenhados em proteger as gerações atuais e futuras da ameaça de saúde pública representada pelos EDCs (endocrine-disrupting chemicals, em português, químicos desreguladores endócrinos).

A aprovação da resolução reflete anos de defesa da Endocrine Society como uma autoridade científica que pede regulamentação baseada em evidências para os EDCs.

Aplaudimos esta resolução enviando um forte sinal político baseado na ciência mais recente, que já é tempo da UE tomar medidas sérias para lidar com o impacto cumulativo de nossa exposição diária a misturas químicas na saúde pública.”

Que esse importante passo que foi dado na Europa se estenda ao mundo inteiro, para que a saúde humana seja preservada dos efeitos nocivos dessas substâncias.

Talvez te interesse ler também:

CRIANÇAS BRASILEIRAS ESTÃO ENTRE AS MAIS EXPOSTAS A DESREGULADORES HORMONAIS

MENOPAUSA PRECOCE E INFERTILIDADE: POR QUE CADA VEZ MAIS JOVENS COM DIFICULDADE DE ENGRAVIDAR?

NO ESMALTE OS PRODUTOS TÓXICOS QUE PENETRAM NO CORPO POUCAS HORAS APÓS USO

Sobre Deise Aur

Avatar
Professora, alfabetizadora, formada em História pela Universidade Santa Cecília, tem o blog A Vida nos fala e escreve para GreenMe desde 2017.

Veja Também

A indústria da cura: existe um mercado explorando também a doença

A que se deve o sucesso da nova série documental da Netflix “A indústria da …