Método simples e acessível: UnB mostra como reduzir em 80% o mosquito da dengue

  • atualizado: 
Aedes aegypti

Mais uma notícia boa que envolve a ciência brasileira: pesquisadores da Universidade de Brasília (UnB) conseguiram reduzir em 80% o número de mosquitos da dengue em São Sebastião, interior de São Paulo.

A pesquisa consistiu em desenvolver um método de combate aos focos do mosquito transmissor da dengue, zika e chicungunha, o Aedes aegypti, como informa o Correio Braziliense em reportagem de Bruna Lima e Patrícia Nadir.

Método Simples e Acessível

Simples e acessível, o projeto combate os focos utilizando um recipiente plástico (similar a um vaso de planta) com água dentro e pó de larvicida da borda. As fêmeas, que são quem transmitem as doenças, pousam no pote e encostam no pó. Com isso, elas acabam espalhando nos ovos o produto letal para as larvas.

O larvicida (Pyriproxyfen - PPF) não mata o mosquito, apenas impede o crescimento das larvas.

São Sebastião foi escolhida como piloto do projeto por causa do elevado número de casos de dengue na região. Nos dois primeiros meses do ano, a Secretaria de Saúde notificou 303 moradores infectados. Durante 18 meses, os pesquisadores da UnB fizeram o experimento em 150 locais e realizaram monitoramentos mensais da situação.

De acordo com o coordenador da pesquisa, professor Rodrigo Gurgel Gonçalves, do Núcleo de Medicina Tropical da UnB:

"Fazemos a medição da quantidade de mosquitos por um aspirador elétrico. No começo do trabalho, as áreas aspiradas tinham de quatro a seis mosquitos. No fim, em muitas não havia nenhum".

O larvicida em questão é aprovado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Ele impede que as larvas cresçam e não representam perigo a seres humanos e animais. Além de não ser tóxico, o produto e os recipientes são de baixo custo.

Conscientização

Embora os resultados obtidos pela iniciativa sejam positivos, é fundamental que as pessoas se conscientizem sobre como evitar a proliferação do mosquito transmissor.

Não deixar água parada em vasos de plantas, pneus, garrafas, entulhos e lixos, manter vedadas caixas d'água e demais reservatórios de água e limpas fossas, calhas e piscinas são ações colaborativas imprescindíveis no combate ao Aedes aegypti.

Talvez te interesse ler também:

PROPAGAÇÃO DO MOSQUITO E MEIO AMBIENTE: POR QUE É DIFÍCIL COMBATER O AEDES?

QUEM BEBE CERVEJA ATRAI MAIS MOSQUITO DA DENGUE

PERNILONGOS: POR QUE É IMPOSSÍVEL ESCAPAR DAS SUAS PICADAS?

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!