Aquela colônia de bactérias que vive em nosso cérebro. Novo estudo

  • atualizado: 
bactérias

Uma colônia de bactérias em nosso cérebro? É possível! Esta é a hipótese chocante apresentada por alguns pesquisadores norte-americanos: a da presença de uma flora bacteriana até mesmo em nossa área cerebral.

O cérebro é um dos órgãos do corpo humano melhor protegido, suspenso em um fluido cerebrospinal e isolado do fluxo sanguíneo através da barreira hematoencefálica, o que, em particular, atua eficazmente para proteger a própria massa cerebral dos patogênicos circulantes, e é a razão pela qual infecções cerebrais transmitidas pelo sangue são muito raras (mesmo que não impossíveis). Em suma, o cérebro é uma fortaleza!

É por isso que, de todos os pontos do corpo humano, o cérebro é a última parte onde você esperaria encontrar bactérias, mas é exatamente isso que diz o novo estudo preliminar dos cientistas da Universidade de Alabama em Birmingham, que relataram na reunião anual da Society for Neuroscience um resultado provisório: a presença de bactérias intestinais no cérebro.

O microbioma intestinal tem sido sempre objeto de grande atenção, na verdade...

"acredita-se que a microbiota intestinal possa afetar o funcionamento e comportamento do cérebro, mas como isso acontece ainda não se sabe. Tem sido proposto que as bactérias podem entrar no cérebro através da barreira hematoencefálica e ou através dos nervos que inervam o intestino", lê-se no resumo.

O microbioma intestinal demonstrou ter um papel muito mais importante do que se esperava, mas qual poderia ser o seu papel no cérebro? Para encontrar uma resposta, o Neuroanatomista da UAB, Rosalind Roberts, analisou algumas amostras de cérebro pós-morte, procurando evidências relacionadas à esquizofrenia. Cerca de cinco anos atrás, Courtney Walker, uma então estudante de pós-graduação no laboratório de Roberts, relatou alguns objetos incomuns em forma de bastão nessas amostras.

"Realizamos análises em série das seções de identificação e quantificação de bactérias, explicam os pesquisadores. Em todos os casos, os cérebros continham uma quantidade variável: as bactérias eram em forma de bastonete e continham uma cápsula, um nucleóide, ribossomas e vacúolos".

Além disso, a análise mostrou que a densidade das bactérias variaram de acordo com a região do cérebro (o mais abundante, por exemplo, no hipocampo e no córtex pré-frontal).
 
Mas de onde essas bactérias vieram ainda não está claro. O que é certo é que, mesmo em cérebros de amostras não mortas, outras análises revelaram a presença de um "microbioma cerebral".

Certamente, ainda será necessário muito trabalho: como os próprios pesquisadores apontam, se realmente existe um microbioma no cérebro, ainda há muito o que estudar sobre isso.

"Ainda há muitas perguntas a serem respondidas", diz Teodor Postolache, psiquiatra da Universidade de Maryland, em Baltimore. Eu não estou muito surpreso que outras coisas possam viver no cérebro, mas se fosse realmente assim, seria um fato verdadeiramente revolucionário”.

Talvez te interesse ler também:

INTESTINO E DEPRESSÃO: UMA QUESTÃO DE LIMPEZA

ALECRIM → AS PROPRIEDADES CURATIVAS QUE ALIMENTAM O CÉREBRO

NÃO APENAS METABOLISMO E DIETA! TER BARRIGA TAMBÉM DEPENDE DAS BACTÉRIAS INTESTINAIS

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!