Diabetes: individualizados pelo menos outros 5 subtipos diversos

  • atualizado: 
Diabetes

Diabetes tipo 1, diabetes tipo 2 e muito mais. Ao lado dessa patologia caracterizada pela presença de altas concentrações de glicose no sangue, na idade adulta, poderiam existir pelo menos 5 subtipos diferentes de diabetes. Tais subdivisões de tipos permitiriam personalizar as terapias e reduzir consideravelmente a possibilidade de complicações.

É o que emerge de um estudo da Lund University Diabetes Centre (Suécia) e do Instituto de Medicina Molecular (Finlândia), que revelou 5 tipos de diabetes em adultos: se o diabetes for atualmente classificado em duas formas principais, diabetes tipo 1 e diabetes tipo 2, seria a do tipo 2 aquela que se apresenta de forma altamente heterogênea. Uma classificação refinada poderia fornecer uma ferramenta poderosa para identificar diferentes regimes de tratamento e identificar indivíduos com maior risco de complicações.

O pressuposto a partir da qual a análise publicada no The Lancet Diabetes & Endocrinology começou, é essencialmente este: diabetes é um grupo de distúrbios metabólicos crônicos que compartilham a característica comum da chamada "hiperglicemia": isso significa que, em princípio, a diabetes pode ser diagnosticada medindo um único componente do sangue. No entanto, o aumento do açúcar no sangue pode ser causado por uma série de fatores genéticos e adquiridos, que reduzem as concentrações circulantes de insulina ou reduzem a sua eficácia, levando à heterogeneidade na apresentação clínica e progressão da doença.

Portanto, embora as classificações existentes para diabetes forneçam tipos baseados em mecanismos patogênicos razoavelmente puros, o objetivo da pesquisa em diabetes tipo 2 na idade adulta foi exatamente identificar subtipos mais precisos para abordar terapias específicas.

O estudo examinou 14.775 pacientes de 18 anos ou mais, que tinham sido diagnosticados com diabetes. Tendo em conta 6 características diferentes (idade ao diagnóstico, presença de excesso de peso, capacidade de controle da doença, funcionamento do pâncreas, resistência à insulina, presença de anticorpos autoimunes contra o pâncreas) identificou uma forma autoimune e outros quatro subtipos distintos de forma não autoimune.

Destas "novas" formas, três são graves: a primeira (11-17% dos pacientes) é caracterizada por resistência severa à insulina e risco muito elevado de complicações renais; o segundo (9-20% dos pacientes) envolve mais ou menos jovens com deficiência de insulina, controle metabólico fraco, mas sem reações autoimunes. A terceira forma grave (6-15% dos pacientes) é caracterizada por carência de insulina e presença de reações autoimunes.

Os tipos mais comuns de diabetes são os 2 da gravidade mais moderada, um se refere a 39-47% dos pacientes e afeta predominantemente os idosos. O outro está ligado à obesidade, e diz respeito a 18-23% dos pacientes.

Uma análise bem mais cuidadosa poderia levar ao longo do tempo a tratamentos decididamente mais direcionados de paciente a paciente e, por que não, a tratamentos personalizados.

Talvez te interesse ler também:

DIETA PARA DIABÉTICOS: O QUE COMER E ALIMENTOS A EVITAR

ideal 300x200

Purificador de água

Benefícios da água alcalina e ozonizada

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!