Insulina: valores e a sua função no corpo humano

  • atualizado: 
Insulina

A insulina do organismo humano é responsável por várias funções vitais em nosso corpo, que mais adiante serão listadas. Quando, por algum motivo, o pâncreas não produz insulina ou nossas células resistem à ação desse poderoso hormônio, pode ocorrer, em consequência desses fatores, a diabetes, doença que, em estágio avançado pode levar à necessidade do paciente fazer uso da insulina produzida em laboratório, cuja aplicação é injetável.

Este tipo de insulina, medicamentosa e injetável, surgiu depois de tantas investigações e estudos científicos para se produzir este hormônio artificialmente, em laboratório, com o objetivo de suprir algumas necessidades do organismo humano que, com o quadro de diabetes, ficam defasadas e geram vários distúrbios, podendo inclusive causar a morte.

Estes estudos e pesquisas tiveram início no século XIX, culminando no ano de 1922 a primeira injeção de insulina em um paciente diabético de 14 anos. A partir daí, e durante décadas, só existia a opção de insulina extraída dos pâncreas de alguns animais. De lá para cá a insulina de laboratório foi passando por várias modificações e, hoje em dia, temos a insulina sintética produzida através de biotecnologia, que não é extraída de animais, um avanço, no sentido de humanidade para com os seres vivos de outras espécies.

Nos últimos 96 anos, a insulina injetável teve melhora na qualidade, nas formas de utilização e na sua eficácia. Um dos grandes desafios é criar outras alternativas de formas de uso da insulina produzida em laboratório.

Embora tenham sido feitas muitas pesquisas para isso, a insulina ainda precisa ser utilizada sob a forma injetável, através de injeções subcutâneas. Não foi possível obter, com bom resultado, a insulina via oral (comprimido) e, a insulina inalável ainda não apresenta segurança em seu uso.

Ainda estão sendo pesquisadas estas e outras formas de utilização da insulina produzida em laboratório.

Seja como for o tratamento, com ou sem uso de insulina medicamentosa, o mais importante é promover a saúde e o bem-estar do corpo, observando seus sinais, compreendendo seu funcionamento, se alimentando de forma saudável e vivendo de forma equilibrada.

Para compreender melhor a importância da insulina produzida em nosso corpo, como evitar ou tratar a diabetes, problema relacionado à função deste hormônio, serão explicados neste artigo os seguintes aspectos:

O que é a insulina em nosso corpo?

insulina 2

A insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas, uma glândula grande situada atrás do estômago.

Esse hormônio avisa as células do organismo para que absorvam a glicose, substância resultante da conversão dos carboidratos provenientes dos alimentos. A glicose é responsável por produzir calor e energia ou reserva de gordura para nosso corpo. Dessa forma, a insulina desempenha papel importante no metabolismo de lipídeos e proteínas.

Existem algumas patologias relacionadas à função da insulina no corpo, como: diabetes e a resistência à insulina, é o que será explicado a seguir.

O que é diabetes?

Quando o pâncreas produz pouca ou nenhuma insulina ou quando as células do corpo se tornam resistentes à ação deste hormônio, surge a diabetes. Em qualquer um desses casos, a glicose não consegue "entrar" nas células e vai se acumulando no sangue, sendo expelida pela urina.

A consequência disso é que o açúcar no sangue se eleva, enquanto as células passam "fome".

O resultado deste distúrbio é que as células vão se deteriorando, por falta de abastecimento de glicose desencadeando a diabetes mellitus.

Pessoas acometidas pela diabetes precisam de dieta específica e/ou tratamento com medicamentos, que aumentem a produção ou que façam a reposição de insulina no organismo.

Vários fatores podem desencadear a diabetes, alguns deles são:

  • Má alimentação;
  • Excessos de consumo de bebida alcoólica;
  • Tabagismo;
  • Problemas hormonais;
  • Mau funcionamento ou doenças em outros órgãos, como rins e coração;
  • Problemas arteriais;
  • Estresse;
  • Problemas na gravidez;
  • Efeitos colaterais de medicamentos fortes, como por exemplo corticóides.
  • Infecções;
  • Hereditariedade, entre outros

Os tipos principais de diabetes são:

  • Tipo I: ocorre quando por algum fator de desequilíbrio orgânico ou doença, o pâncreas deixa de produzir insulina.
    Geralmente, este tipo de diabetes é tratada com injeções de insulina e requer muito cuidado e controle.
  • Tipo II resulta na incapacidade do pâncreas de produzir a insulina de forma eficiente, ou das células de responderem à ação desse hormônio para receberem a glicose (resistência à insulina).

Em boa parte dos casos, o tratamento consiste em medidas sem remédios, com dieta alimentar, controle de peso e atividade física e/ou medicamentos para aumentar a produção de insulina, sem haver a necessidade de reposição de insulina de forma injetável.

Exame de sangue para medir insulina

Para confirmar a existência da diabetes ou possível propensão de manifestar essa doença, um dos exames que é feito na pessoa é a curva de tolerância à glicose (curva glicêmica) que tem como finalidade detectar se o organismo apresenta sinais de resistência à insulina.

Este exame consiste em:

  1. O paciente precisa estar em jejum de água e de alimento;
  2. É necessário também ficar as 8 horas anteriores ao exame, sem fazer exercício físico; caso utilize alguma medicação, suspender o uso e, se fumante, ficar sem fumar, no período anterior ao exame.
  3. Após isso será realizado um exame de glicemia para medir os níveis de glicose basal (que é a secreção constante de insulina, é produzida como "gotas contínuas’", liberando, dessa forma, a glicose para as células do organismo e mantendo, assim, os níveis dessa substância regulados e baixos no sangue ).
  4. Depois, o paciente ingerirá um líquido bem doce, que contém 75 gramas de glicose;
  5. Em seguida, serão coletadas novas amostras de sangue, a cada 30 ou 60 minutos, para medir os níveis de glicose.

O resultado do exame de curva glicêmica poderá apontar se o paciente é saudável, se possui resistência à insulina ou se tem diabetes.

Curva glicêmica: valores de referência

Os valores de referência para a curva glicêmica, em uma pessoa saudável, quando se administram 75 gramas de solução são:

  • Em jejum: de 60 a 100 mg/dL
  • 30 minutos depois: menos de 200 mg/dL
  • 1 hora depois: menos de 200 mg/dL
  • 2 horas depois: menos de 140 mg/dL
  • 3 horas depois: menos de 120 mg/dL

Valores de referência para a curva glicêmica, em uma pessoa cujos resultados apresentam índices anormais e podem resultar nos 2 casos abaixo:

  1. Resistência à insulina ou pré diabetes:
    Em jejum: entre 100 a 125 mg/dL
    2 horas depois: entre 140 e 199 mg/dL
  2. Diabetes:
    Em jejum: mais de 126 mg/dL
    2 horas depois: mais de 200 mg/dL

Quando é necessário fazer este exame?

  • Quando se suspeita da existência de diabetes, buscando confirmar o diagnóstico;
  • mulheres grávidas, entre 24 e 28 semanas de gravidez, para verificar se apresentam diabetes gestacional.
  • suspeita de resistência à insulina;
  • pacientes que apresentam predisposição de desenvolver a diabetes, por fatores de risco tais como: hereditários ou físicos, como a obesidade ou outros.
  • Pré diabetes
  • Diabético tipo II
  • Obesidade abdominal
  • Hipertensão arterial
  • Aterosclerose
  • Doenças cardiovasculares
  • Inflamação ou infecção sistêmica
  • Problemas metabólicos e glandulares
  • Doenças neurológicas degenerativas
  • Casos de envelhecimento precoce

Confirmado o diagnóstico da diabetes, em qualquer destes casos, dependendo do grau desse distúrbio, o médico poderá indicar tratamento com o uso de insulina injetável.

Atualmente, existem vários tipos e marcas de insulina injetável, para o tratamento de diabetes e diferem, entre si, pelo tempo de duração que ficam ativas no corpo; que iniciam a sua ação no organismo e o contexto, no qual são mais eficientes, para o paciente.

Quem precisa fazer uso da insulina, necessita adequar esse tipo de tratamento ao seu estilo de vida e a necessidade de fazer controle da glicose.

A prescrição da dose de insulina é uma questão muito individual, que tanto médico, como paciente precisarão observar a evolução do problema e o resultado do tratamento, fazendo o controle, através da atenção às reações do organismo e dos resultados de exames específicos, já citados, anteriormente.

Entre os vários tipos de insulinas existentes, a mais moderna é a produzidas à partir de biotecnologia, com obtenção de molécula idêntica à insulina humana e não é extraída de animais, atualmente, existem várias marcas deste tipo de insulina.

Relação da insulina com a diabetes e o que é resistência à insulina

De acordo com a explicação do Dr. Drauzio Varella no vídeo abaixo, a insulina é como uma "chave" que abre a "porta" da membrana da célula, para glicose poder entrar e mantê-la ativa e saudável.

Sem a insulina, a glicose acumula e fica em excesso na corrente sanguínea, desencadeando no organismo o distúrbio da diabetes.

Dr. Drauzio Varella faz vários esclarecimentos sobre a relação da insulina com a diabetes, além de explicar o que é resistência à insulina.

Confiram:

Redução do risco de diabete ou cuidados para quem já tem esse problema

Independente de se ter ou não diabetes e fazer uso de medicação apropriada para este caso, os cuidados com o corpo são o melhor remédio e a mais eficiente medicina.

Para isso é necessário praticar hábitos saudáveis, tais como:

Uma dieta equilibrada e nutritiva e, conforme o caso, recomendação e prescrição médica. 

Geralmente, se faz necessário diminuir os seguintes alimentos: 

  • carboidratos: pão, macarrão, batata, etc;
  • açúcares: alimentos e bebidas adoçados com açúcar e consumo de doces.

Praticando exercícios físicos moderados, que ajudem a diminuir a glicose no corpo, pois, com atividades físicas, o organismo consome esta substância, lembrando que o excesso de exercício e atividades físicas muito pesadas ou intensas, também podem desregular a glicose no sangue.

Quem tem tendência a engordar, é necessário manter o peso equilibrado, pois a obesidade é uma das principais causas da resistência à insulina.

Todos estes cuidados são fundamentais para evitar ou controlar a diabetes e manter o organismo equilibrado e o corpo saudável, porém não dispensam o uso de medicação quando, assim, se fizer necessário.

Em contrapartida, não adianta fazer uso de medicações, se não houver esses cuidados, uma coisa está atrelada à outra.

Caso haja suspeita da existência de diabetes procure um médico imediatamente, para fazer exames e ter um diagnóstico e tratamento corretos.

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!