No Acre, campanha de vacinação também foi antecipada

H1N1

Assim como em São Paulo, a campanha de vacinação contra a gripe H1N1 começou mais cedo.

Nessa segunda-feira (11), na capital Rio Branco, as primeiras doses começaram a ser disponibilzadas nas Unidades de Referência de Atenção Primária e Centros de Saúde.

Embora não haja, ainda, casos da doença confirmados no estado, a Secretaria de Saúde de Rio Branco explica que a vacinação foi antecipada devido ao aumento dos registros de H1N1 no país e ao período de transição entre inverno e verão na região amazônica.

Na rede pública de saúde, podem receber a vacina crianças de seis meses a cinco anos de idade, pessoas acima de 60 anos, trabalhadores da saúde e do sistema prisional, índios, gestantes e mulheres que tiveram filhos há no máximo 45 dias, além de presos. Já os portadores de doenças crônicas não transmissíveis, como asma e pressão arterial alta, na faixa etária de 5 a 59 anos, podem receber a vacina se apresentarem prescrição médica.

A população indígena deve ficar atenta ao período de vacinação, pois, por causa do acesso mais difícil dessa população a uma assistência médica mais completa, os riscos de infecção são maiores. É comum a população indígena recorrer à Casa de Apoio ao Índio, um centro de convivência e proteção, em casos de problemas de saúde.

Já aquelas pessoas que estão gripadas precisam esperar melhorar para receber a vacinação.

Segundo alerta do Ministério da Saúde, as medidas preventivas que a população deve adotar são: lavar sempre as mãos, evitar locais com aglomeração de pessoas e manter os lugares arejados.

Leia também:

setaCASOS DE H1N1 COMEÇAM A SER REGISTRADOS MAIS CEDO ESTE ANO

setaPARÁ: CRESCE NÚMERO DE CASOS DE H1N1 ENTRE ÍNDIOS

setaCURAS E REMÉDIOS NATURAIS PARA GRIPES E RESFRIADOS

Fonte foto: tuasaude