OMS alerta: uso abusivo de antibióticos ameaça a saúde

uso abusivo de antibióticos ameaça a saúde

Uma questão de saúde pública tem preocupado autoridades no assunto, em nível mundial, após uma análise da Organização Mundial de Saúde: trata-se do avanço das chamadas superbactérias. Esses microrganismos receberam este nome porque são resistentes à ação dos antibióticos usualmente aplicados no tratamento de infecções.

O incrível – e ao mesmo tempo, tristemente irônico – é que há um risco iminente de voltarmos à situação do século XIX, uma época na qual não havia remédios para determinadas doenças e isso as levava à morte.  

A pesquisa da OMS consistiu em um banco de dados de 114 nações do mundo e chegou-se à conclusão de que, com o uso indiscriminado de antibióticos para tratar todo tipo de doenças, as bactérias têm evoluído e desenvolvido defesas orgânicas, o que as salva da ação dos medicamentos.  

Exemplos como a escherichia coli – a mais frequente causadora de infecções bacterianas do sistema urinário – confirmam a tese da OMS, uma vez que, na decada de 80, 100% dos casos eram curados pela administração de antibiótico; agora o índice caiu para 50%. Casos similares têm sido verificados com gonorreia e pneumonia.  

É necessário que os governos comecem a implementar medidas educativas, a fim de educar suas populações para o uso consciente e ponderado desse tipo de medicamento. Caso contrário, o organismo começa a ficar indefeso ao avanço das doenças. Os países mais pobres precisam urgentemente da universalização do acesso à água e ao saneamento básico, como forma de conter a disseminação dos vetores de infecções. 

Se os abusos continuarem, corre-se um verdadeiro risco de, ao se infectar da próxima vez, o antibiótico tenha perdido seu efeito. 

Há, contudo, algumas outras razões para esse quadro assustador: por um lado, o consumo de carne. Os animais de abate são tratados com hormônios e antibióticos, de modo indiscriminado. Muitas vezes os antibióticos são usados na prevenção de doenças em vez de serem usados no tratamento. Desse modo, ao ingerirmos a carne, essas substâncias vão parar em nosso organismo e afetam a saúde, sobretudo em longo prazo, ajudando ao desenvolvimento das superbactérias. 

Leia tambémA Food and Drug Administration decide eliminar gradualmente os antibióticos nas criações de animais

Outro ponto que vem sido debatido com intensidade é a questão da vacinação. Do ano de 1985 até 2014, a recomendação da OMS era de 7 vacinas básicas; hoje, dobrou. Portanto, pais, a sociedade e determinados cientistas se preocupam com os efeitos colaterais que o aumento do número de vacinas possam vir a causar. Em ambas as situações, há a possibilidade de ocorrer uma porta aberta para que superbactérias se instalem.

Leia tambémAmericanos são cada vez mais contrários à vacinação

Fonte foto: freeimages.com