Quanto menos pessoas fumam, outras mais param de fumar

fumando cigarro

Existe há tempo uma discussão sobre a influência de pessoas fumando sobre outras. Falasse de que quanto mais pessoas fumassem, muitas outras seguiriam o exemplo, e também o caminho contrário. Para muitos isso não passava de uma falácia e que os fumantes “lutariam” para manter o vício a todo custo, independentemente do endurecimento do restante da população ao ato de fumar. Pois bem, um estudo veio para mostrar que, sim, como diz o velho ditado, “aonde a vaca vai, o boi vai atrás”, também quando o assunto é cigarro. Quanto menos pessoas fumam, maior o número de fumantes que tentam largar o vício.

Com os programas de controle e prevenção ao cigarro, o número de usuários declinou em diversos países, o Brasil é um deles, restando apenas os que são completamente viciados pelo fumo. Para atender os dependentes de nicotina, outras estratégias foram traçadas para fornecer o consumo de nicotina e tabaco sem a queima do cigarro, como os adesivos e chicletes, e agora o cigarro eletrônico.

O que ninguém imaginava, e que o estudo de pesquisadores da Universidade da Califórnia em São Francisco (UCSF) contraria essas ações, mostrando que o mais eficaz mesmo é a “onda” que a sociedade adere com relação ao cigarro. Ou seja, a redução no número de fumantes está estimulando as pessoas mais viciadas a largarem o cigarro também

O diretor do Centro de Pesquisas e Educação sobre o Controle do Tabaco da UCSF, Stanton A. Glantz, afirma que a população fumante está “amolecendo” e que isto possui importante implicações sobre o ponto de vista da saúde pública e suas políticas.

O raciocínio é simples, as políticas para diminuir o número de fumantes no mundo, possui muito mais efeito sobre os fumantes de longa data do que paliativos como produtos recreativos de nicotina e cigarros eletrônicos. Nada disso é necessário quando as políticas contra o fumo gera um efeito que serve de exemplo sobre os fumantes, mostrando nas pessoas ao seu redor que o melhor mesmo é viver livre deste vício.

Por isso as políticas duras de controle ao tabaco devem continuar, contando com a ajuda fundamental daqueles que superaram o vício como exemplo e inspiração para os que ainda não conseguiram.

Leia também: Por que o cigarro é mais perigoso do que há 50 anos? Veja o que está por trás da sua indústria

Fonte foto: freeimages.com