Diabetes: como medir a glicose de uma forma não-invasiva?

Diabetes

Uma "tatuagem temporária" que mede os níveis de glicose no sangue, foi realizada por pesquisadores da Universidade de San Diego, nos EUA. Trata-se de um dispositivo ultrafino, que permite que aos diabéticos, controlarem o açúcar no sangue.

O objetivo é dizer adeus às famosas picadas no dedo para os diabéticos. O dispositivo é aplicado diretamente na pele como um tipo de adesivo, mas lembra uma tatuagem temporária, e é capaz de medir a glicose presente nos fluidos sob a pele.

Pesquisadores da Universidade de San Diego perseguem o objetivo de desenvolver um sistema que seja capaz de medir a glicose de uma forma não-invasiva, buscando por alternativas que evitem picadas aos doentes, bem como perfurações constantes na pele feitas pelos rotineiros exames de sangue.

A "tatuagem temporária" capaz de medir a glicose, foi projetada para ser aplicada diretamente em um braço e não causar desconforto ou irritação. Definitivamente é mais confortável do que a prática tradicional da "picada de agulha".

A pesquisa em questão foi publicada na revista Analytical Chemistry, sob o título de "Tattoo-Based Noninvasive Glucose Monitoring: A Proof-of-Concept Study". A aplicação do dispositivo ultrafino funciona graças à folhas de transferência.

O dispositivo é capaz de gerar uma corrente imperceptível, capaz de atrair para si íons de sódio presentes no fluido entre uma célula e outra. Precisamente estes íons de sódio, estão envolvidos no transporte de glicose.

Como o dispositivo funciona

foto: pubs.acs.org

Em aplicações futuras, a "tatuagem temporária" pretende não só acompanhar a diabetes, mas também outras doenças tais como os quadros renais. A produção do dispositivo exigiria uma cifra irrisória e poderia ser introduzido no mercado a um custo acessível a todos.

O dispositivo, com as melhorias realizadas, poderia comunicar a análise de dados via bluetooth, diretamente para o médico, de modo a economizar tempo e dinheiro.

Leia também:

setaDIABETES: 10 SINTOMAS INICIAIS BASTANTE COMUNS

setaDULCE AGONIA: COCA COLA E O PANO DE FUNDO DA EPIDEMIA DE DIABETES NO MÉXICO