Menos de 50% dos latino-americanos praticam atividades físicas

Menos de 50% dos latino-americanos praticam atividades físicas

Uma nova pesquisa de comportamento trouxe à tona um dado preocupante para a saúde: em países latino-americanos, a conscientização da necessidade de fazer atividade física é baixa.

Segundo o levantamento, intitulado Percepção e Realidade – Um Estudo sobre a Obesidade nas Américas, em locais desenvolvidos como Canadá e Estados Unidos têm 68% da população se exercitando, por duas ou mais vezes na semana e somente 14% não tem nenhuma prática física, em países da América Latina são 41% os que se exercitam e 31% totalmente sedentários. A pesquisa foi realizada pela Win Américas e ocorreu em nove países das Américas: Argentina, Brasil, Canadá, Colômbia, Equador, Estados Unidos, México, Panamá e Peru.

Segundo os dados da pesquisa, o público feminino tem uma percepção mais crítica da saúde, em comparação a homens: ou seja, 67% das primeiras se declaram saudáveis, contra 72% entre os homens. Por isso, há dificuldades para enfrentar os problemas relacionados ao sobrepeso entre os últimos.

Outros dados que corroboram para essa leitura do comportamento dos gêneros, pelo menos 40% dos homens declaram estar acima do peso; porém, de acordo com seu Índice de Massa Corporal (IMC), 52% têm realmente sobrepeso – o que revela uma visão distorcida do corpo e da saúde.

Já entre mulheres as percepções se invertem: 46% dizem estar com sobrepeso, mas o IMC mostra que somente 43% estão acima do peso.

Dados colhidos em 2013, por meio da pesquisa Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico indicam que 50,8% dos brasileiros estão acima do peso e 17,5% são obesos. Em 2006, pesquisa semelhante revelou 42,6% e 11,8%, respectivamente. A obesidade é considerada fator de risco para uma série de doenças crônicas – diabetes, hipertensão e alguns tipos de cânceres.

Segundo esses levantamentos, 75% dos cidadãos das Américas desejam mudar a alimentação, mas só 19% conseguem. Os brasileiros, no panorama geral, se mostram mais propensos a adotar uma dieta saudável: 89% mudariam seus hábitos alimentares.

Americanos e canadenses aparecem na sequência, com 77% e 76%, respectivamente. Já os mexicanos são diferentes: 50% não querem mudar a rotina alimentar.

A pesquisa reuniu 10.786 entrevistados e foi feita entre os meses de agosto e setembro de 2014.

Fonte foto: freeimages.com