Da barriga da mãe: o que os fetos sabem e sentem?

Da barriga da mãe: o que os fetos sabem e sentem?

É senso comum e científico, claro, sobre a importância de uma gestante tranquila para o bem-estar da mulher e do bebê. Mas será que o antes mesmo de o bebê vir ao mundo aquele que foi um feto já não anotou várias linhas no caderno da vida e sabe muito mais do que imaginamos?

Psicologia pré-natal

Existe um psiquismo fetal? Será possível fazer uma retrospectiva sensorial sobre o que um feto passou, sentiu, viveu?

O termo psicologia pré-natal é uma área de estudo que vem ganhando espaço graças a novas tecnologias capazes de descobrir que dentro da barriga da mãe o bebê consegue conhecer alguns  aspectos ambientais que ficam armazenados em um tipo especial de memória: a memória corporal.

O que a ciência sabe, até o momento, é que o amadurecimento do bebê durante a gestação ocorre em três estágios, segundo informa a EBC:

  • Fase germinal: dura de 10 a 14 dias e envolve a concepção e a implantação do feto no útero;
  • Estágio embriônico: vai da segunda semana à oitava e é o principal momento de formação dos órgãos e desenvolvimento dos sistemas essenciais do corpo.
  • Estágio fetal: vai da oitava semana até o parto e no qual ocorre principalmente o crescimento da criança. Nesta fase ela é capaz de sentir as carícias que são feitas na barriga.

Vida afetiva fetal

Durante a fase gestacional, é preciso que a mãe cuide da alimentação, não use drogas (incluindo álcool e fumo), não seja exposta à radiação e, também, não sofra de adoecimento psíquico. A rede de apoio emocional é fundamental para que a mãe tenha condições de oferecer uma boa vida à criança dentro de sua barriga.

As vivências da mulher durante a gravidez são tão essenciais quanto os seus comportamentos salutares.  A psicanalista Joanna Wilheim afirma que, antes de nascer, o bebê já tem uma vida afetiva e é capaz de sentir o que a mãe sente através de sinais fisiológicos transmitidos pela placenta, tais como: aumento da frequência cardíaca, movimentação corporal e liberação de hormônios específicos.

O período da gestação marca o indivíduo para sempre: o seu jeito de ser, os seus medos, o seu humor, o seu temperamento – obviamente, não é a única causa determinante de quem seremos.

O psicólogo francês Jean-Pierre Lecanuet, um dos maiores especialistas mundiais nos sentidos do feto, contou à SuperInteressante que

“muitas das coisas que estamos descobrindo agora são uma simples confirmação daquilo que alguns pais sempre souberam”.

Isso significa que os bebês precisam sentir-se acolhidos já dentro da barriga da mãe, sobretudo, no último trimestre gestacional, quando eles captam o que acontece do lado de fora.

Através de modernos aparelhos de ultrassom, descobriu-se que os bebês, a partir dos seis meses de gestação, sorriem e demonstram claramente aversão, além de sonharem.

É justamente no fim da gestação que ocorre a maior quantidade de sinapses cerebrais no bebê, sendo uma etapa fundamental para a inteligência do ser que irá nascer.

Um livro sendo escrito

Um bebê não é, portanto, uma folha em branco. O livro da sua vida já começou a ser escrito quando ele ainda estava dentro do útero materno.

A pesquisa da médica e psicanalista italiana Alessandra Piontelli constatou que alguns comportamentos registrados durante a gestação eram replicados após o nascimento, segundo a Revista Medicina Integrativa.

É durante o período da gestação que mais nos desenvolvemos na vida! Essas experiências primárias serão a base de nossas emoções, sentimentos, crenças e juízos que vão moldar a nossa percepção de mundo. As experiências intrauterinas estabelecem certos padrões que podem ser reforçados ou atenuados, depois, na infância.

A memória do corpo tem um papel crucial para o indivíduo. Se as nossas células têm memória, quiçá um feto. A psicologia pré e perinatal é a área do conhecimento que estuda, entre outros temas, o trauma intrauterino e possíveis formas de tratá-lo.

Traumas e sintomas

Muitos traumas acontecem na fase perinatal, colocando, inclusive, a vida do feto em risco, como uma tentativa de aborto ou o cordão umbilical ficar enrolado em alguma parte do corpo, nutrindo e ameaçando ao mesmo tempo a sua vida, ou a morte de um irmão gêmeo.

Vários são os sintomas que pessoas que viveram a experiência de um trauma fetal podem desenvolver como:

  • dramatização das experiências;
  • desestabilização emocional;
  • apatia;
  • falta de energia e desenvolvimento de paralisia diante de situações difíceis;
  • impotência;
  • medo de sufocamento

Existem dois momentos determinantes para a saúde vital do bebê: a descoberta da gravidez pelos progenitores, sobretudo pela mãe, e o nascimento.

Uma rejeição inicial pela mãe ou durante toda a gestação pode marcar a pessoa com o sentimento de carência, acarretando problemas graves de relacionamento.

O parto também é responsável por desenvolver questões somáticas importantes, caso o processo ocorra com complicações.

A psicologia pré e perinatal trabalha com processos terapêuticos que visam recuperar os acontecimentos intrauterinos.

O profissional acessa memórias desse período para que o paciente tome consciência delas através de técnicas como regressão, hipnose, toques, gestos, posturas, entre outras.

Talvez te interesse ler também:

Diabetes gestacional: tudo o que você precisa saber

A poluição do ar entra e chega à placenta. Novo estudo chocante

Os bebês reconhecem e seguem o rosto humano desde a barriga da mãe

Cigarro na gravidez: todos os riscos para mamães e bebês

Alerta Pesquisa Científica: fumar, mesmo que só 1 cigarro por dia na gravidez, pode prejudicar o bebê!

Saiba tudo sobre gravidez em idade avançada

Too young to drink: uma campanha chocante contra o consumo de álcool na gravidez

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *