61% das crianças e adolescentes vivem em situação precária no Brasil

  • atualizado: 
Saneamento básico Brasil

Estatísticas são frias. Raramente dão conta de mostrar o cenário real por trás dos números. Nesse sentido, quanto mais ampla for a pesquisa, mais fiel à realidade ela será. 

A pobreza, por exemplo, é muito mais que uma questão monetária, envolve acesso a direitos fundamentais. Foi pensando na importância dessa abrangência que o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) (UNICEF) fez um levantamento, divulgado essa semana, sobre crianças e adolescentes que vivem em situação de precariedade.

Além da renda per capita, o estudo incluiu também o cumprimento aos direitos básicos constitucionais, como moradia, saneamento e educação.

Os dados são assustadores: 6 em cada 10 crianças vivem em condições precárias. Isso representa 32,7 milhões de pessoas de até 17 anos, no Brasil, uma fatia incômoda de 61%.

Baseado na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD), o relatório da UNICEF mostra que:

  • 18 milhões de crianças e adolescentes no Brasil vivem em famílias que não têm renda suficiente para comprar uma cesta básica.
  • Quanto aos direitos fundamentais, o mais negado é o saneamento. A falta dele afeta 13,3% milhões, atingindo os brasileiros, principalmente, das regiões Norte e Nordeste.
  • Os negros também são os mais desfavorecidos nesse quesito, representando 70% desse total.

Além do saneamento, outras categorias analisadas foram moradia, educação, água, trabalho infantil e informação.

Os números mostram que:

  • 26,7 milhões de criança têm um ou mais desses direitos negados.
  • A precariedade no acesso à educação é o segundo pior indicador, representando 8,8% milhões.
  • Um quarto dos brasileiros de 4 a 17 anos tem direitos violados nesse quesito, sendo que, novamente, os negros são mais afetados: 545 mil meninos e meninas negras contra 207 mil brancos (entre 8 e 17 anos).
  • O terceiro quesito mais negado é o acesso à água, que afeta 7.6 milhões de crianças.
  • O trabalho infantil é realidade de 6.2% delas, sendo que a carga de trabalho é maior entre as meninas. Moradores de áreas rurais têm mais direitos negados do que quem vive nos centros urbanos, da mesma forma que no Norte e Nordeste as privações são mais intensas do que no Sul e Sudeste.

Esses dados apontam para um cenário alarmante, mas podem ajudar na adoção de políticas públicas que tirem essas crianças de estatísticas tão tristes.

Principalmente em época de eleições, é bom ter em mente este cenário para escolher um candidato que tenha olhos para o futuro. Educação, saneamento básico, acesso aos bens naturais inalienáveis como água, ar e solo de qualidade, moradia, trabalho e informação são itens básicos sem os quais não se pode haver progresso. Nem ordem!

Talvez te interesse ler também:

setaBRASIL, UM PAÍS DE CELULAR NA MÃO, MAS SANEAMENTO BÁSICO QUE É BOM…

setaBRASIL: SANEAMENTO BÁSICO E CRIANÇAS

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!